Coluna Literatura com Mazé Nóbrega

Pirls: você sabe que negócio é esse?

O PIRLS (Progress in International Reading Literacy Study), traduzido entre nós por Estudo Internacional de Progresso em Leitura, é uma iniciativa realizada a cada cinco anos pela International Association for the Evaluation of Educational Achievement (IEA), uma cooperativa internacional independente de instituições de pesquisa nacionais e agências de pesquisa governamentais, que realiza estudos comparativos em grande escala de desempenho educacional e outros aspectos da educação.

O PIRLS avalia habilidades de leitura no 4º ano do ensino fundamental, momento da escolaridade em que se espera que os estudantes já tenham ultrapassado a etapa do “aprender a ler”, podendo se dedicar a “ler para aprender”, a “ler para apreciar textos literários” de modo mais fluente e autônomo. Além de avaliar a compreensão leitora, o PIRLS recolhe informações sobre os fatores contextuais que podem influenciar o desempenho em leitura por meio de questionários dirigidos a estudantes, professores, diretores, pais ou responsáveis.

Desde sua primeira edição em 2001, o número de países participantes tem aumentado a cada ciclo. A edição do PIRLS 2021 será a primeira em que o Brasil vai participar com uma amostra de escolas públicas e privadas, abrangendo todo o país. A tarefa de planejamento e operacionalização da prova está a cargo do Inep – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, órgão ligado ao MEC, responsável pela avaliação educacional no país.

A avaliação desenvolvida pelo PIRLS procura contemplar duas finalidades de leitura: ler para aprender por meio de textos expositivos, conhecidos como informativos, e ler para apreciar textos literários. No âmbito dessas duas finalidades, o PIRLS opera com quatro processos gerais de compreensão leitora:

  1. Localizar e retirar informação explícita;
  2. Fazer inferências diretas;
  3. Interpretar e relacionar ideias e informações;
  4. Analisar e avaliar conteúdo e elementos textuais.

No quadro seguinte, explicamos cada um desses processos, apontamos alguns fatores que podem tornar as tarefas propostas para avaliá-los mais ou menos difíceis e, por fim, sugerimos algumas intervenções de apoio aos estudantes que apresentem dificuldades para realizá-las com sucesso.

PROCESSOS GERAIS DE
COMPREENSÃO LEITORA
GRAU DE DIFICULDADE DA TAREFAENFRENTAMENTO DAS
DIFICULDADES DOS ALUNOS
Localizar e retirar informação explícita

Procurar informação específica requer
que o leitor se concentre em fragmentos
do textoem uma palavra, frase ou
parágrafo.
Nas atividades de acessar e
obter informações, a dificuldade
é condicionada:

· pela quantidade de dados que
o leitor precisa localizar;

· pelo número de informações
concorrentes;

· pela extensão e complexidade
do texto.
Aponte o(s) parágrafo(s) em
que a informação solicitada
se encontra, peça para o aluno
reler a passagem, reformule
a consigna e veja se, após essa
intervenção, consegue extraí-la.

Fazer inferências diretas

A inferência pressupõe que o leitor,
tomando por base informações explícitas,
consiga deduzir outras por raciocínio.
O leitor poderá ter de processar o texto
tanto de forma localizada (por exemplo,
ao concluir o sentido de uma palavra
pelo contexto) como globalmente.
Nas atividades que implicam
inferências, as dificuldades
relacionam-se à natureza do
conhecimento que o leitor deve
aplicar à compreensão do texto.
Por exemplo, é mais difícil lidar
com informações especializadas
em vez de conhecimento geral
e universal.
Explique que, para solucionar
essa atividade, não basta procurar
no texto: é preciso pensar sobre
o assunto. Peça para o aluno reler
o trecho em que se localiza a base
textual para a produção da inferência
e ajude-o a deduzir a resposta,
reformulando a consigna.
Interpretar e relacionar ideias
e informações

Ao interpretar, o leitor relaciona as suas
experiências e os seus conhecimentos
prévios com o significado do texto.
Ao relacionar, o leitor estabelece conexões
entre ideias e informações que podem ser
de vários tipos: causa e efeito, problema e
solução, fato e opinião relativa a esse fato,
tese e argumentos, definição e exemplo,
comparação ou contraste etc.
Para tanto, pode focar-se em partes
específicas do texto ou no todo.
Interpretar e relacionar são processos que
permitem ao leitor compreender a intenção
do autor e construir um entendimento mais
aprofundado do texto.
Nas atividades de interpretar e
relacionar, o grau de complexidade
é afetado:

· pelo tipo de interpretação
ou relação necessária (por exemplo,
em uma comparação, é mais fácil
encontrar uma semelhança do
que uma diferença);

· pelo volume de dados a serem
considerados;

· pela natureza do texto: quanto
menos familiar e mais abstrato for
o conteúdo e quanto mais longo
e complexo for o texto, maior a
probabilidade de que a atividade
seja mais difícil.
Peça que releia as partes do
texto em que se encontram as
ideias ou informações a serem
interpretadas ou relacionadas.
Chame atenção para a presença
de recursos, como paragrafação,
título e subtítulos, marcadores textuais
que determinam a sequência de eventos
narrados ou a relação lógica entre as
informações.
Analisar e avaliar conteúdo e elementos
textuais


Ao analisar e avaliar textos, o leitor é
convocado de forma responsiva a explicar
e contrastar, formular hipóteses e valorar
o tratamento dado ao plano do conteúdo e
da expressão, isto é, a realizar uma
apreciação crítica do texto.
Esse processo demanda juízos de valor,
posicionamento sustentado por parte do
leitor, mobilizando conhecimentos prévios
sobre os tópicos tratados e os usos da
linguagem na forma como o texto veicula
informação e ideias.
Nas atividades de analisar e
avaliar, a dificuldade é dada:

· pelo tipo de reflexão exigida
(relacionar, explicar, comparar,
formular hipóteses, avaliar)

· pela natureza do conhecimento
prévio que o leitor precisa aplicar
ao texto;

· pela abstração relativa
e extensão do texto;

· pela compreensão aprofundada
do assunto exigida para realizar
a atividade.
Certifique-se de que o estudante
tenha domínio satisfatório da
informação que precisa aplicar,
caso não a tenha, forneça a
informação.

Explorar os quatro processos gerais de compreensão leitora do PIRLS no trabalho escolar pode ser bastante útil para que os educadores tenham maior clareza em relação aos desafios que propõem a seus alunos, mas, principalmente, para que ampliem seu arsenal de intervenções para apoiá-los no desafio de ler com proficiência os textos para seguir aprendendo, bem como, a usufruir os tesouros a serem descobertos pelos leitores literários.


Para saber mais:

Instituto de Avaliação Educativa, I.P. (IAVE). PIRLS = ePIRLS: Literacia de Leitura e Literacia de Leitura Online. Unidades de Avaliação. Disponível em: https://iave.pt/wp-content/uploads/2019/08/Unidades_AvaliacaoPIRLS_ePIRLS_2016.pdf

Acesso em 03 jun. 2021.

Sobre o(a) autor(a)

Artigos

Formada em Língua e Literatura pela PUC/SP, com mestrado em Filologia e Língua Portuguesa pela USP, atuou em diversos programas de formação continuada. Assessora escolas particulares de São Paulo. É coordenadora dos projetos de leitura da Editora Moderna, além de atuar como professora de cursos de formação de escritores. Atualmente, assina a coluna Literatura com Mazé Nóbrega no blog Redes Moderna.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.