Category

Sem Categoria

Lixo eletrônico como abordar esse assunto em sala de aula

By | Educação inovadora, Sem Categoria | No Comments

Estamos vivenciando uma revolução tecnológica no mundo, tais mudanças, afetam diretamente a questão ambiental, especificamente o que produzimos com o tempo se tornará lixo eletrônico, sendo de suma importância falarmos de reaproveitamento que envolve os 3’R.

Recentemente foi acrescido mais 2’R, perfazendo os 5’R:

Falar sobre esse tema em sala de aula é fundamental para sensibilizar e desenvolver nos alunos o senso ambiental, trabalhando com os objetivos sustentáveis (ODS) e trabalhando na prática a  sustentabilidade.

Atualmente muitos produtos tecnológicos, possuem um tempo de obsolescência, são os casos dos computadores, celulares, tablets e tornam-se lixo eletrônico. Poucos ainda são os pontos de coleta para esse material, porém, na sala de aula, com os devidos cuidados, estes materiais podem se transformar em currículo, trabalhando projetos mão na massa.

Sobre a autora do post

Débora Garofalo

Débora Garofalo

Colunista

Formada em Letras e Pedagogia, pós-graduada em Língua Portuguesa pela Unicamp e mestranda em Educação pela PUC de SP. É professora de Tecnologias, trabalha com Cultura Digital, Robótica com sucata/livre, programação e animações; e implementação em tecnologias em Escolas Públicas. Vencedora na temática Especial Inovação na Educação no Prêmio Professores do Brasil e Finalista no Global Teacher Prize, considerado o Nobel da Educação.

Como usar o lixo eletrônico nas aulas

É fundamental trabalhar com os estudantes a influência do homem com o meio em que vive, avaliando propostas de intervenção no ambiente, delineando relações entre o padrão de consumo e o crescimento urbano na atualidade. O que pode ser trabalhado nas diversas áreas do conhecimento e de forma interdisciplinar, fazendo os estudantes compreender os ecossistemas e maneiras de contribuir com a preservação.

Abaixo reunimos algumas dicas, vamos lá!?

Preparando o ambiente

O professor pode direcionar a aula, após uma primeira roda de conversa, aprofundando o assunto com pesquisas direcionadas.

Dicas:

Lixo Eletrônico, site Sua Pesquisa

Fonte: Disponível: http://www.suapesquisa.com/o_que_e/lixo_eletronico.htm.

Lixo Eletrônico no Brasil, site Info Escola

Fonte: Disponível: http://www.infoescola.com/meio-ambiente/lixo-eletronico-no-brasil/

Aproveitando o lixo eletrônico

Após esse primeiro momento de conhecimento, o segundo e poder aproveitar esse lixo em projetos mão na massa, que envolve a aprendizagem criativa e robótica, ao explorar o potencial dos componentes que estão dentro dos equipamentos para dar vidas a protótipos com sucata.

Dentro do computador, é possível reaproveitar o HD, motores, conectores, ventoinhas, fios, placas, ou seja, quase tudo pode ser reaproveitado como matéria prima para o ensino de Robótica. A escola pode se tornar um ponto de coleta e arrecadar esses materiais.

O professor pode usar esse material para dar os primeiros passos no ensino de robótica como montar circuitos eletrônicos, criar protótipos com funcionamentos de motores e de ventoinhas, de forma low tech (baixa tecnologia), dar desafios para que os alunos criem seus objetos usando esses materiais.

Permitindo que os alunos inventem, criem, utilizando os 5’R e as metodologias ativas que visa tirar o aluno da passividade e trazer ao centro do processo de aprendizagem.

Ampliando para a comunidade escolar

Com os trabalhos realizados pelos alunos, a escola pode promover uma feira sobre a sustentabilidade e convidar os familiares e o entorno para participarem, ampliando os conhecimentos sobre o assunto e fazendo os alunos serem multiplicadores desta ação.

Outro ponto é organizar palestras com convidados externos tanto para troca com os estudantes como a comunidade escolar.

Desta maneira ganham todos, os alunos com uma nova visão de mundo e um leque de oportunidades, a sociedade e a natureza.

E você querido professor, como está trabalhando com a questão da sustentabilidade em sala de aula? Conte aqui nos comentários e ajude a fomentar ações e práticas pedagógicas.

Um abraço,

Débora

Precisamos falar, e muito, sobre água

By | Literatura, Sem Categoria | No Comments

Nos últimos tempos, quando abro uma das muitas torneiras espalhadas pela minha casa e vejo a água jorrar em profusão tenho refletido o quanto esta é uma comodidade que não valorizamos. Comento sobre isso com os amigos, com os professores e alunos com quem costumo trocar ideias em salas de aula. É um pensamento incômodo, especialmente recorrente após ter me juntado a um grupo de 10 pessoas, entre mulheres e crianças, que se embrenhava pelo sertão do Piauí para buscar água. Sob um sol inclemente, andamos por trilhas inóspitas durante quase três horas caatinga adentro, desde o povoado de Barreiro, na zona rural do pobre município de Guaribas, até um poço de água barrenta – o objetivo da jornada. Após um breve descanso, com direito a molhar os rostos suados, baldes de plástico e latas foram enchidos até a boca e equilibrados sobre as cabeças. Pegamos o árduo caminho de volta.

Sérgio Túlio Caldas

Sérgio Túlio Caldas

Autor de “Água – Precisamos falar sobre isso”, “Terra sob Presão – a vida na era do aquecimento global” e “Com os Pés na África”, livro premiado no Jabuti 2017.

Embora um tanto escura e de aspecto nada confiável, a água serviria para matar a sede, fazer a comida e cuidar da higiene pessoal das famílias do grupo. A quantidade do líquido colhida era um volume muito abaixo do recomendado pela Organização das Nações Unidas (ONU). A entidade indica 110 litros diários de água para atender as necessidades de consumo e higiene de uma pessoa.

Ao ver a água que escorre fácil da minha torneira, também me lembro de Shiva Avatari, que conheci em uma das viagens ao Nepal. Na casa do meu amigo nepalês, espetada no alto de uma montanha, não há chuveiro ou uma simples torneira. Todo santo dia, Shiva desce o morro a pé para pegar água em uma fonte pública da capital Katmandu. Com o galão de plástico abastecido, ele retorna ladeira acima com a carga de 20 litros que dará conta de suas necessidades do dia.

Da janela da casa de Shiva, a vista é espetacular. Fica-se cara a cara com a imponente cordilheira do Himalaia, que além de contar 8 dos 10 picos mais altos do planeta – incluindo o Everest –, abriga em suas montanhas uma das mais extraordinárias reservas de água do planeta. Para Shiva e milhões de moradores da região do Himalaia, porém, a água permanece apenas ao alcance das vistas, e não das mãos.

Costumo falar nas conversas nas escolas que essas duas experiências que vivi no sertão brasileiro e nas montanhas nepalesas regaram a semente que brotou no meu recente livro “Água – Precisamos falar sobre isso”.

A essa altura do século 21, quando startups digitais bilionárias são criadas da noite para o dia, cruzar longas distâncias transportando água na cabeça é uma realidade perturbadora. Ainda mais no Brasil, país que estoca 12% de toda a água doce superficial do mundo – a maior reserva hídrica da Terra.

Essa indignação, somada ao fato de cuidarmos tão mal do recurso natural imprescindível à vida, me indicou que era urgente falar, escrever, sobre a água. Resolvi botar o pé na estrada e também resgatar observações que venho colhendo nos últimos anos sobre a delicada situação da água em diversas regiões do Brasil e do mundo, onde há fartura e escassez do recurso, onde existem ações de preservação, e também tensões por um pouco de água.

Hoje, entende-se que não basta ter água em quantidade para uma cidade ou um país sentir orgulho. O mais importante é saber tratá-la e administrá-la. Sem tratamento e poluída, ela ameaça ambientes naturais e causa doenças graves. Nos países em desenvolvimento, estima-se que 90% dos esgotos e 70% dos resíduos industriais sem tratamento são descarregados em rios.

Por aqui, 100 milhões de brasileiros não têm serviço de coleta de esgoto. E quase 40 milhões vivem sem redes de água em casa. A cada 100 litros de água tratada, cerca de 40 litros vão para o ralo, desperdiçadas em instalações clandestinas e tubulações mal conservadas. Não é à toa que 65% das internações de crianças com menos de 10 anos em hospitais no Brasil ocorrem devido ao contato com água contaminada.

O agronegócio e as atividades das mineradoras consomem e desperdiçam grandes quantidades de água, superexploram as reservas subterrâneas, contaminando rios e devastando fontes d’água. Essa constante pressão sobre os recursos hídricos deve se agravar ainda mais em resposta às mudanças climáticas e ao ritmo do crescimento populacional. Somos 7,5 bilhões de habitantes na Terra. Em 2025, seremos 9 bilhões, e a demanda por água aumentará. E muitos de nós continuam a não dar a mínima, mesmo diante de tão sérias pressões ambientais e hídricas no nosso horizonte.

De uma maneira geral, a ONU recomenda que é urgente haver mudanças na administração pública dos recursos hídricos, com investimentos em infraestrutura e atenção especial à educação. As escolas podem contribuir, e muito, na preservação do precioso recurso natural ao ensinar a crianças e jovens a importância soberana da água para a existência de toda espécie de vida. Esse esforço equivale a um passo enorme, e necessário, para tratarmos melhor e com mais responsabilidade o nosso planeta.

Saiba mais

De toda a água existente no planeta, cerca de 97% é salgada – inapropriada ao consumo humano. Dos 3% restantes, justamente a água doce que podemos usar, 2% estão inacessíveis em geleiras, camadas de neve e reservatórios subterrâneos. Ou seja, temos à nossa disposição apenas 1% para irrigar plantações, abastecer cidades, movimentar a indústria e, principalmente, para matar a nossa sede. Neste instante, fonte de água se encontram ameaçadas pelo desmatamento, pela poluição, pelo desperdício e pela exploração desenfreada. Se não soubermos usar com responsabilidade o líquido fundamental para a vida, a mina irá secar. Neste livro, o autor nos mostra a situação desse valioso recurso a partir de estudos recentes e de suas observações em viagens por diversas regiões do Brasil e do mundo, locais em que há fartura e escassez; onde existem ações de preservação, mas também conflitos e tensões por um pouco de água.

ESPORTE TAMBÉM PARA QUEM TEM DEFICIÊNCIA

By | Sem Categoria | No Comments

Lucas Mozela é um atleta vitorioso da natação. Aos 20 anos, coleciona medalhas em competições brasileiras e internacionais, como o Panamericano do Canadá, de 2015. Nascido com uma má formação no braço direito, começou a nadar aos 7 anos, como forma de reabilitação. Quando ainda estava no Ensino Fundamental, Lucas concedeu uma entrevista para o meu livro, Esporte, Caminho de Superação. Lá, ele citava como maior destaque na sua carreira, até então, quatro medalhas obtidas nas Paralimpíadas Escolares.

Hoje, Lucas frequenta o Centro de Treinamento Paraolímpico Brasileiro, em São Paulo, um dos melhores do mundo no esporte de alto rendimento, e acaba de lançar um canal no YouTube em que conta sobre sua trajetória e suas conquistas, como representar o país, como integrante da seleção brasileira principal, nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro – no livro Esporte, Caminho de Superação, você vai encontrar um histórico dos Jogos Paralímpicos e das provas de natação.

Sobre a autora do post

Denise Pellegrini

Denise Pellegrini

Autora do livro - Esporte, caminho de superação.

Denise Pellegrini é jornalista com especialização em Jornalismo de Educação e Ciência pela PUC-SP e Produção de Textos Literários pelo ISE Vera Cruz. Trabalhou na revista Nova Escola por 17 anos, 11 deles como redatora-chefe. Atuou como editora-assistente do Escola Agora, jornal distribuído aos professores e gestores pela Secretaria Estadual de Educação de São Paulo, e repórter do jornal da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Recentemente, foi redatora-chefe dos Cadernos Pedagógicos do Projeto Nossa Rede, da Secretaria Municipal de Educação de Salvador.

Histórias como a de Lucas são um incentivo e tanto para muitas crianças e muitos jovens com algum tipo de deficiência que ainda não acreditam ser possível praticar esporte ou, ao menos, alguma atividade física. A oportunidade de essa garotada se movimentar, participar de jogos, brincadeiras ou atividades esportivas deve ser dada pela escola. Durante muito tempo, alunos com algum tipo de deficiência ficaram afastados da Educação Física nas instituições de ensino brasileiras.

A ideia era focar em quem tivesse “potencial”. Assim, as aulas da disciplina serviam para que os “bons” ficassem melhores ainda. Aos que não eram habilidosos, assim como aos gordos, cegos, surdos ou com dificuldade de locomoção, por exemplo, restava assistir aos colegas. Felizmente, a prática docente na disciplina não segue mais essa cartilha. A evolução é mostrada na reportagem A Educação Física mudou. E sua aula?, publicada pela revista Nova Escola. “O propósito atual do ensino de Educação Física é promover a inclusão e o desenvolvimento de todos”, afirma o texto.

Hoje, é bem mais frequente nas escolas ver crianças e jovens com algum tipo de deficiência participando das mesmas atividades que os demais integrantes da turma, como mostra o documentário sobre Educação Física inclusiva produzido pelo Instituto Rodrigo Mendes (o instituto lançou um curso online gratuito sobre o tema).

O objetivo das aulas de Educação Física atualmente nas escolas do país não é mais formar atletas ou equipes competitivas, como já ocorreu, mas privilegiar a formação integral do aluno. Entre as competências dessa área, definidas pela Base Nacional Comum Curricular, estão reconhecer as práticas corporais como parte da identidade cultural dos povos e levar os alunos a combater posicionamentos discriminatórios em relação às práticas corporais e aos seus participantes. São temas que rendem boas conversas em sala, não?

Durante as atividades práticas, é possível também chamar os jovens para contribuir sobre formas de incluir todos os colegas. Você vai ver como eles têm ideias criativas!

A construção de valores é uma das dimensões do conhecimento relacionadas às habilidades desenvolvidas pela disciplina. Aí se incluem os valores relacionados ao respeito às diferenças e ao combate aos preconceitos de qualquer natureza, o que pressupõe formar alunos capazes de superar estereótipos que se apresentem nas aulas práticas. Assim, a escola oferece a experiência de participar de atividades esportivas, brincadeiras ou jogos, e ampliar a consciência sobre os próprios movimentos a todos os estudantes! Seguindo esses princípios e debatendo temas tão importantes em sala ou na quadra, você vai formar estudantes que respeitam as diferenças e atribuem novos sentidos às práticas corporais, valorizando menos o sucesso e a vitória e mais os colegas, a comunidade e a cultura local. Que tal experimentar?

Coleção Informação e Diálogo

A coleção Informação e Diálogo trata de temas atuais, que estão em discussão na mídia e que, com certeza, renderão um bom diálogo e uma proveitosa troca de ideias entre os jovens de 11 a 14 anos. Livros em formato de Almanaque que usam e abusam de hipertextos com o intuito de oferecer ao jovem um conjunto de temas que possam ser discutidos e compartilhados entre os colegas de escola, amigos e também na família, despertando o seu interesse e estimulando-o a prosseguir a pesquisa iniciada por meio da leitura.

Confira abaixo mais sobre a coleção Informação e Diálogo: