Como usar BYOD na Educação

By | Educação inovadora | No Comments

Você já ouviu o termo BYOD?

Conhecendo mais

O BYOD é a sigla de Bring Your Own Device (traga o seu próprio aparelho), também conhecida como mobile learning (aprendizagem móvel) e é uma tendência que surgiu no mundo corporativo e que tem ganhando espaço na educação, ao propor que os alunos tragam para a sala de aula seus próprios dispositivos digitais.

Um dos principais impactos é viabilizar a adoção de tecnologia na rotina de estudos, sem a necessidade de fazer altos investimentos de compra, manutenção e atualização de hardwares. Outro ponto forte é a oportunidade de engajamento dos estudantes nas atividades propostas, dando um novo destino aos celulares e tablets dos discentes, rompendo com o paradigma dos docentes que utilizar esses equipamentos irá dispersar a aulas e os estudantes irão acessar conteúdos impróprios que podem (e devem) ser superados com mudança cultural e implementação de sistemas de segurança e controle.

É um novo olhar para a sala de aula! Na medida que possibilita ao professor trabalhar com equipamentos móveis, onde muitas vezes o aluno, já o possui, se utilizando de uma rede wireless, facilitando a dinâmica da sala de aula, ao mesmo tempo que permite ao professor utilizar recursos disponíveis trazidos pelos alunos possibilitando um viés pedagógico. Muitos professores já têm utilizado essa prática ao adquirir um roteador e utilizando os aparelhos móveis dos alunos em suas aulas.

Outro ponto positivo nesta abordagem e criar um espaço acolhedor dentro da sala de aula, sem ter a necessidade de deslocar os alunos para um outro espaço para realizar atividades que necessitem do suporte das ferramentas digitais. Muitas vezes, esse é um fator que desestimula o professor a utilizar tecnologias nas aulas, justamente pelo tempo de deslocamento e perda de parte da aula gerenciar o espaço e equipamentos.

Sobre a autora do post

Débora Garofalo

Débora Garofalo

Colunista

Formada em Letras e Pedagogia, pós-graduada em Língua Portuguesa pela Unicamp e mestranda em Educação pela PUC de SP. É professora de Tecnologias, trabalha com Cultura Digital, Robótica com sucata/livre, programação e animações; e implementação em tecnologias em Escolas Públicas. Vencedora na temática Especial Inovação na Educação no Prêmio Professores do Brasil e Finalista no Global Teacher Prize, considerado o Nobel da Educação.

Levando o BYOD para a sala de aula

O BYOD possibilita que a aprendizagem ocorra em outros espaços, além da sala de aula e sem ser em um espaço físico. Pode ser uma aula pública, um estudo de campo e ou explorar espaços dentro da própria escola, explorando ferramentas fundamentais para envolver os alunos em atividades de pertencimento como imagem, vídeo e até mesmo uma viagem virtual e ou explorando ferramentas de colaboração ao alcance de dispositivos móveis.

É necessário compreender o uso da tecnologia não como ciência, mais, uma propulsora ao ensino aprendizagem, tendo em mente que os alunos se apropriem de recursos que está nas mãos para realizar atividades propostas. O BYOD é uma possibilidade real de otimizar recursos educacionais.

Fica a dica

No entanto, é necessário tomar alguns cuidados, como ter objetivos claros, para desenvolver as atividades, manter bom diálogo com os discentes, principalmente sobre os equipamentos e suas funcionalidades, como por exemplo, quando os equipamentos pertencem a unidade escolar é fácil conversar sobre os aspectos do coletivo, quando os equipamentos são dos alunos, é necessário trabalhar a colaboração para que o individualismo não sobressaia sobre as atividades.

Outro ponto interessante é envolver a comunidade escolar, pensando colaborativamente sobre a adoção do BYOD na unidade escolar, constituindo um fórum para pensar em ações conjuntas, conhecendo a fundo o perfil da comunidade escolar e constituir um politica de uso com a sensibilidade da unidade escolar, além de envolver o colegiado para pensar em adquirir conectividade. Outro ponto, é colocar os alunos em situação de produtores de tecnologias ao desenvolver aplicativos. Uma ferramenta que pode ser utilizada é a fabrica de aplicativos, onde os alunos podem desenvolver uma aprendizagem interativa e criar games, e-books e materiais interativos, usando como limite a imaginação.

E você querido professor, já teve alguma experiência com BYOD, se sim como foi sua experiência? Conte aqui nos comentários e ajude a fomentar práticas e inspirar professores.

Um abraço,

Débora

O papel é um dos produtos mais reciclados no mundo

By | Sustentabilidade | No Comments

O processo de reciclagem de papel começa com você. Depois que o papel foi usado ele deve ser descartado como resíduo a ser reciclado. Na Europa, a taxa de reciclagem de papel foi de 72,5% em 2016. No Brasil esse índice já chega a 67% e cresce ano a ano.

Para manter a qualidade, é importante que o papel seja coletado separadamente de outros materiais. Durante o processo de reciclagem é necessário remover contaminantes e, quando necessário, também resíduos de tinta. A matéria prima resultante pode ser usada para produzir 100% de papel reciclado ou misturada com fibra virgem, dependendo das características de qualidade exigidas.

Tanto a fibra reciclada quanto a virgem oferecem benefícios. Como as fibras virgens e recicladas fazem parte de um único sistema complexo, é muito difícil comparar com segurança seus atributos ambientais. Na prática, a fibra reciclada não existiria se a fibra virgem não fosse colhida e as demandas da sociedade por produtos de papel e cartão não poderiam ser atendidas sem as duas coisas. Para a produção de celulose virgem é necessário plantar árvores continuamente, o que ajuda a reduzir o efeito estufa.

Uma fibra pode ser reciclada várias vezes, mas não indefinidamente. A reciclagem de papel precisa incorporar uma certa quantidade de fibras novas porque a celulose se deteriora cada vez que é reciclada. Além disso, muitos tipos de papéis exigem fibra virgem na sua composição para alcançar as propriedades técnicas adequadas. Finalmente, às vezes não há papel reciclado, com boa qualidade, em quantidade suficiente para atender à demanda. Cerca de 22% do papel utilizado não é possível coletar ou reciclar.

Papel é feito de celulose, extraída de árvores. Ao contrário do que muita gente pensa, toda celulose produzida no Brasil vem de árvores plantadas e nada vem de matas nativas. Trata-se, portanto, de matéria-prima renovável que não esgota recursos naturais. As árvores plantadas contribuem para a redução do efeito estufa.  Em alguns países usam-se árvores nativas, mas para cada árvore colhida outras são replantadas de modo a garantir sua reposição. Na Europa, por exemplo, as florestas têm crescido 44.000 km2 nos últimos dez anos. A água utilizada na fabricação de celulose e papel não é perdida. Mais de 90% é devolvida ao meio ambiente em condições adequadas segundo os critérios legais.

Para saber mais:

17 de Maio – Dia Internacional da Reciclagem

No dia 17 de maio é comemorado o Dia Internacional da Reciclagem. A data comemorativa foi instituída pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência, e a Cultura (UNESCO) como forma de conscientizar as pessoas sobre os impactos que o alto consumismo gera ao meio ambiente.

Segundo levantamento da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), cada brasileiro produz em média 387 kg de lixo por ano, o que chega a mais de 79 mil toneladas anuais no país. Além da quantidade, há um preço ambiental altíssimo: aterros sanitários produzem gases de efeito estufa (GEE) que poderiam ser evitados com uma política de reciclagem.

Contaminação
Alguns materiais levam anos ou décadas para se decompor, como os descartáveis (fraldas, copos plásticos etc). Metais, vidros e plásticos poderiam ser excluídos dos aterros se fosse feita sua separação dos demais materiais. Com a reciclagem, é possível reaproveitar esses materiais, pois as empresas do setor os reutilizam no processo industrial. O caso do lixo eletrônico (também conhecido como e-lixo) tem um agravante: seus componentes possuem elementos químicos altamente tóxicos, quando entram em contato com o solo e com lençóis freáticos.

Há outros vilões contaminantes no material descartado pelos munícipes, como as lâmpadas fluorescentes (elas devem ser descartadas com cuidado para evitar a quebra e consequente esparrame do seu interior para o solo), baterias em geral, televisores, geladeiras e micro-ondas. A SVMA incluiu coletores para o e-lixo em treze parques.

Coleta Seletiva
A cidade de São Paulo tem vários locais cadastrados para o descarte de lixo reciclável. O Programa de Coleta Seletiva da Prefeitura conta com uma rede de 27 cooperativas e associações de catadores habilitadas pela Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (AMLURB). Para participar da coleta seletiva basta fazer uma pesquisa pelo site da Loga ou Ecourbis, para saber dia e horário de coleta de acordo com a região. Depois, é só separar os recicláveis, como papel, plástico, vidro e metal.

O munícipe auxilia muito nesse processo tomando alguns cuidados: plásticos (principalmente de detergentes e xampus) devem ser lavados antes da coleta. As tampas devem ser retiradas. Os vidros também precisam ser lavados e as tampas, retiradas. Metais (latinhas de bebidas em geral) devem ser amassadas ou prensadas. Já os papeis devem ser guardados diretamente em sacos plásticos, tomando o cuidado de não molhá-los. Vidro quebrado também é aceito, mas tome o cuidado de embalá-lo em jornal para não ferir o coletor. Caixas de papelão (incluindo as embalagens longa vida) devem ser desmontadas ou compactadas para reduzir o volume na hora da coleta.

Fonte: Prefeitura de São Paulo

Como alavancar a aprendizagem com recursos audiovisuais

By | Educação inovadora | No Comments

Vocês têm notado a maneira que os alunos têm aprendido?!

Outro dia levei para a sala um estudo de caso sobre o cyberbullying,.  Ao começar a leitura do texto, ouvi um sonoro, professora vamos colocar no Youtube e ver se encontramos um vídeo sobre esse assunto? Imediatamente, pesquisamos e encontramos alguns vídeos e nos apoiamos ao texto para realizar as discussões sobre a atividade que estávamos realizando.

Essa atividade foi o suficiente para compreender que a leitura é e sempre será fundamental, porém o audiovisual (que é também uma forma de leitura) está cada vez mais presente na vida dos nossos alunos e se torna essencial levar essa importante ferramenta para dentro da sala de aula, não somente como consumidores, mas principalmente como produtores.

Já temos muitos educadores que fizeram do vídeo a sua sala de aula, principalmente pelo potencial de alcance entre os jovens. Entre os muitos canais de educação, destaco o Professor Procópio do Rio de Janeiro, com a linguagem simples e o jeito irreverente de ensinar matemática, atrai muitos estudantes. Você professor, também pode ter o seu canal, iniciando com equipamento simples, como o celular e ou uma câmera.

Sobre a autora do post

Débora Garofalo

Débora Garofalo

Colunista

Formada em Letras e Pedagogia, pós-graduada em Língua Portuguesa pela Unicamp e mestranda em Educação pela PUC de SP. É professora de Tecnologias, trabalha com Cultura Digital, Robótica com sucata/livre, programação e animações; e implementação em tecnologias em Escolas Públicas. Vencedora na temática Especial Inovação na Educação no Prêmio Professores do Brasil e Finalista no Global Teacher Prize, considerado o Nobel da Educação.

E como levar recursos audiovisuais para dentro da sala de aula?

Com uma gama de possibilidades, existem várias maneiras de inserir o audiovisual nas aulas, uma delas, é tornar os estudantes criadores de conteúdo, exercitando a mão na massa. Lembre-se o celular pode ser um importante aliado, para produzir conteúdo com os discentes de forma audiovisual. Abaixo, destaco algumas ações

A primeira ação: Considero essencial a mudança de atitude em nós, professores! É necessário quebrar a barreira que ainda temos das ferramentas digitais e começar a inserir novas maneiras de abordá-las no currículo escolar.

Segunda ação: Compreender que toda mudança leva um tempo para acontecer. Pode ser que em um primeiro momento as atividades não saiam como a planejado e isso não deve ser considerado como ação para que nunca mais ocorra, mais um momento de reflexão.

Terceira ação:  O diálogo é a porta de entrada para exercer a criticidade. Hoje na Internet encontramos uma infinidade de vídeos, sobre diferentes assuntos, onde cada vez mais conversar sobre ética e segurança é um fator chave para alavancar a aprendizagem.

Quarta ação: Dê destinos a equipamentos possíveis de trabalhar em sala de aula. O celular é uma boa opção, a maioria possui câmeras, vídeos e editores, que podem auxiliar no trabalho pedagógico.

Quinta ação: Explore com os alunos o potencial de criar vídeos. Assistir vídeos torna o currículo mais dinâmico, mas, inverter os papéis e fazer os alunos se tornarem produtores de vídeos, potencializa ações como colaboração, empatia, inventividade e criatividade, competências e habilidades tão essenciais a este século, além de aproximar os estudantes do seu aprendizado.

Sexta ação: Não basta apenas liberar o uso do celular, é preciso realizar um bom planejamento e ações, com objetivos claros, propiciando trabalhar com resoluções de problemas. Proponha etapas de trabalho pesquisa, elaboração de roteiro, pré-produção, gravação e edição. Combine processos, dividir tarefas e cobrar prazos para que os projetos se concretizem. Ao final do processo, avalie as produções e possibilitando novos aprendizados para todos.

Materiais de baixos recursos e sugestões para realizar vídeos

Câmera ou celular

Microfone (se não tiver, escolha lugares bem silenciosos para fazer a gravação)

Tripé (muitos são possíveis de serem produzidos pelos alunos)

Programas gratuitos para edição

Windows Live Movie Maker

Video Toolbox

VirtualDub

VideoSpin

E você querido professor, como costuma trabalhar com o audiovisual em sala de aula? Conte aqui nos comentários! Este é um importante espaço de troca e fortalecimento de práticas docentes.

Um abraço,

Débora

Como utilizar a realidade virtual em suas aulas

By | Educação inovadora | No Comments

Que tal inserir a realidade virtual em suas aulas?! O benefício de usar a realidade virtual nas aulas está na interação e possibilidades de aprendizagem, além da adaptação do ensino a partir das necessidades singulares dos estudantes.

Aquele aluno que possui alguma dificuldade de acompanhar o aprendizado com os demais colegas poderá sentir mais confiança a aprender através dos recursos digitais. Além de ser propulsor a aprendizagem em todas as disciplinas do currículo.

Saiba mais

A realidade virtual é uma tecnologia de interface entre um usuário e um sistema operacional, que tem o objetivo de recriar ao máximo a sensação de realidade. Ela apresenta aos nossos sentidos (paladar, tato, olfato, visão e audição) um ambiente virtual, que podemos explorar de várias formas e funciona através dos óculos VR funciona de uma maneira simples, basta baixar, pelo celular, as fotos ou os vídeos em 360º graus, que são imagens tiradas em sequência e agrupadas, permitindo essa visão. Depois, é só colocar o aparelho dentro dos óculos e vivenciar esse momento.

As imersões em ambientes virtuais propiciam a reprodução de vivências e experiências que facilitam a compreensão do currículo, tornando mais atrativo, envolvente e significativo.

Sobre a autora do post

Débora Garofalo

Débora Garofalo

Colunista

Formada em Letras e Pedagogia, pós-graduada em Língua Portuguesa pela Unicamp e mestranda em Educação pela PUC de SP. É professora de Tecnologias, trabalha com Cultura Digital, Robótica com sucata/livre, programação e animações; e implementação em tecnologias em Escolas Públicas. Vencedora na temática Especial Inovação na Educação no Prêmio Professores do Brasil e Finalista no Global Teacher Prize, considerado o Nobel da Educação.

Produzindo os seus óculos

E se o custo ainda é considerado um desafio, saiba que é possível criar óculos com a turma e usufruir dos benefícios no processo de aprendizagem.

 Google Cardboard é uma plataforma de realidade virtual desenvolvida pelo Google para usar no smartphone. A plataforma foi concebida com o propósito de gerar acessibilidade à realidade a virtual. Ela traz também a montagem e operação do visualizador, os óculos VR. O Google também fornece o modelo dos óculos Google Cardboard, então você pode imprimir este material.

Materiais Google Cardboard

  • Molde do Google Cardboard
  • Duas lentes específicas
  • Papelão
  • Ímã
  • Velcro
  • Elástico
  • Tesoura
  • Cola quente

Celular e ou smartphone com sistema operacional Android

Benefícios para levar a realidade virtual para a sala de aula

Desenvolvimento de habilidades

Simulações de realidade virtual auxiliam os alunos a aprender habilidades práticas, e um dos maiores benefícios é que os alunos podem aprender a partir de cenários realistas, emergindo em novas culturas, sem sair da sala de aula.

Colaboração

A tecnologia de realidade virtual tem o potencial de aumentar a colaboração entre professores e alunos, ao aumentar a motivação do aluno e melhoram a colaboração e a construção do conhecimento.

Viagens virtuais

Para tornar esse processo mais atrativo, o professor junto da turma pode experimentar o programa de realidade virtual, já existentes, um desses programas é o Google Expeditions. O Professor decide onde emergir. Também é possível utilizar o Google Street View 360, RYOT VR, Youtube 360, Discovery VR.

Aprendizagem baseada em jogos

A realidade virtual alterar a forma como os jogos podem ser utilizados ​​para o aprendizado. A aprendizagem baseada em jogos funciona através do aumento do engajamento e a motivação.

E você, querido(a) professor(a), já vivenciou a experiência com a realidade virtual? Conte aqui nos comentários! Compartilhe conosco suas experiências.
Um abraço,

Débora

Dia nacional do livro infantil

By | Literatura | No Comments

Dia 18 de abril é comemorado o Dia do Livro Infantil no Brasil. A data foi escolhida em homenagem ao dia de nascimento do escritor Monteiro Lobato.

Com a vontade de “fazer livros onde as crianças possam morar”, Monteiro Lobato foi um dos mais importantes escritores brasileiros e criou obras infantis com personagens que perduram há várias gerações.

Todo mundo já ouviu falar de Emília, Narizinho, Pedrinho, Visconde de Sabugosa, Tia Nástacia e Dona Benta… afinal, essas personagens marcaram a infância de muita gente.

Nesta data especial, ninguém melhor do que Pedro Bandeira, autor e estudioso de Monteiro Lobato, para falar sobre essa figura tão presente na literatura infantil!

MONTEIRO LOBATO: GÊNIO OU VILÃO?

Por Pedro Bandeira

No ano em que a obra de Lobato passa a domínio público, recrudescem as críticas aos pontos sombrios de sua atuação política na primeira metade do século passado: Racista! Eugenista! Classista! Aristocrata enrustido!

Não pretendo defender sua memória procurando negar essas acusações porque é verdade que em cartas para seus amigos e em algumas crônicas cabeludas o escritor de Taubaté soltou a língua escrevendo opiniões que arrepiam os cabelos dos leitores do século XXI. Um vilão!

Mas, como escritor para crianças, Lobato foi somente um GÊNIO. Ele criou uma menina de 7 aninhos perfeita, a maravilhosa Narizinho. Penetrou em sua mente, vasculhou sua capacidade de fantasiar o mundo, revelou sua curiosidade criativa, tudo isso antes que a Psicologia tentasse explicar-nos o que ocorre nas cabecinhas dos seres humanos em sua fase de formação da personalidade, em seu amadurecimento, em sua preparação para a vida adulta. Releia Reinações de Narizinho e surpreenda-se com a perfeição com que ele compreendeu como somos, como criamos e como fantasiamos nesse período da vida em que não se é mais uma “criancinha” e ainda não se chegou à pré-adolescência. Ou melhor, leia a adaptação que eu fiz deste livro e intitulei como Narizinho, a menina mais querida do Brasil, com lançamento previsto para 2019.

O único ponto que alguns consideram deslizes de Lobato são os momentos em que a boneca Emília ofende a Tia Nastácia com xingamentos racistas. Nesse ponto, compreenda que Lobato criou uma boneca que, ao conseguir falar, demonstra-se como alguém que nunca recebeu educação e que fala o que lhe vem à veneta.

Ou faça como eu faço: ao pensar em meu pai, suponho que ele tenha sido uma pessoa normal, com qualidades e defeitos. Mas, quando eu falo dele, esqueço os defeitos e até douro suas qualidades. No caso de Lobato, suas qualidades como brasileiro e como escritor superam com imensa folga os defeitos que ele eventualmente tenha revelado como o ser humano que foi. E essas qualidades são tantas, que eu afirmo que ele fez minha cabeça, como meu pai teria feito se não tivesse morrido tão cedo, quando eu ainda estava na barriga da minha mãe.

PARA SABER MAIS SOBRE MONTEIRO LOBATO: