fbpx

Um panorama da educação brasileira

By | Educação inovadora | No Comments

Em um ano atípico, podemos falar que fizemos história na Educação! 

Quem poderia imaginar que algum dia, teríamos que ministrar aulas por um período tão longo na história,  mediadas com o uso da tecnologia e uma pandemia que iria nos obrigar a realizar quarentena e cumprir um distanciamento social. 

Com muitas dificuldades e em um cenário de acertos e erros, conseguimos realizar e promover uma educação, não nos moldes que esperávamos, mas de maneira emergencial e com o foco nos estudantes. 

Em todo o Brasil, vimos Estados e Municípios prosseguindo com a educação, algumas Secretarias criaram estratégias específicas como São Paulo, com o Centro de Mídias São Paulo, um aplicativo com dados patrocinados para que o estudantes pudessem assistir aulas e o Paraná com o aplicativo aulas Paranás  e outras utilizando tecnologias conhecidas, que fazem parte do nosso cotidiano, como rádio e impressão de materiais didáticos. Acompanhamos as autoridades da Saúde, em possível retorno presencial e experiências brasileiras, como no Estado do Amazonas retornando as aulas presenciais, seguido de forma gradual pelo Estado de São Paulo.

Dentro deste cenário, podemos afirmar com toda a certeza que nada substitui as aulas presenciais e que teremos que lidar com grandes desafios pela frente, como evasão escolar, recuperação deste período e a certeza que teremos um longo caminho para frente.

Em outros aspectos, conseguimos aprovar o novo FUNDEB (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação), com ampliação de recursos, essenciais ao sistema público de ensino, em que vale ressaltar que 86% dos estudantes brasileiros estudam em escolas públicas, mas falta a regulamentação em que essa agenda se faz urgente. E algumas políticas nacionais ficaram na contramão do esperado como a de alfabetização e de inclusão, em que se faz necessário um debate com quem realmente faz a educação acontecer no chão da sala de aula, professores e estudantes.

No  entanto, nos emocionamos com as histórias de professores, se reinventando e mostrando toda a força de seguir com a Educação. Entre tantas histórias, vimos o Professor Luis Felipe Lins, vencedor do Educador Nota 10 com o projeto Geometria e Construção, Professora Doani Emanuela Bertan, top 10 no Global Teacher Prize, considerada ao Nobel da Educação, com o trabalho de inclusão e ensino de libras. 

Além disso, vivenciamos algo que era esperado por todos, a valorização da família junto a Educação! Mas também, convivemos de perto com as desigualdades devido a ausência de políticas públicas para conectividade e infraestrutura, em que novamente não faltou criatividade e o desenvolvimento de competências digitais, com inclusões de metodologias ativas e o ensino híbrido sendo muito utilizado.

Sobre a autora do post

Débora Garofalo

Débora Garofalo

Colunista

Débora Garofalo é Assessora Especial de Tecnologias da Secretaria Estadual de Educação de São Paulo (SEE SP) e professora da rede pública de ensino de São Paulo. Formada em Letras e Pedagogia, mestranda em Educação pela PUC-SP, vencedora na temática Especial Inovação na Educação no Prêmio Professores do Brasil, Vencedora no Desafio de Aprendizagem Criativa do MIT e considerada uma das dez melhoras professoras do mundo pelo Global Teacher Prize, o Nobel da Educação.

E diante de tudo, o que podemos esperar para a Educação em 2021?

Entender que este panorama com todos os acertos e dificuldades nos fazem ser mais assertivos e traçar um melhor planejamento, centrado em foco nas soluções dos problemas educacionais.

E que este momento é que devemos manter a tranquilidade e nos encher de esperança para viver 2021! Sabemos que será um ano para superarmos desafios e esperamos estarmos mais seguros para voltar as aulas presenciais, mas sem se esquecer dos muitos aprendizados deste ano, em que aqui reunimos alguns.

A tecnologia chegou para ficar

A tecnologia chegou para ficar, mas ela sozinha não possui poder para transformar e impulsionar a educação, é essencial sempre nos lembrarmos do papel dela em sala de aula, mas que ela precisa vir acompanhada de inovação, metodologias ativas, ensino híbrido que são meios eficazes para promover o protagonismo juvenil e a autoria e que no processo de aprendizagem é necessário trabalhar com resoluções de problemas, colaboração, empatia. 

Educação integral

É necessário promovermos uma educação integral, com valores integrais, promovendo uma escuta ativa com os estudantes e rompendo assuntos que são tão essenciais a educação, como uma educação antirracista, com inclusão de todos e o envolvimento do território educativo. 

Foco na comunidade Aprendente

Vimos a família reconhecer e valorizar  a Educação, cultivar esse laço é essencial, sendo necessário resgatar uma comunidade aprendente que envolve todo território educativo, em ações de pertencimento e que lembre que a Educação é responsabilidade de todos.

Habilidades Socioemocionais

Todos sofremos com o distanciamento social, é será necessário intensificar o trabalho com as habilidades socioemocionais, para que possamos trabalhar com emoções e sentimentos e ter a oportunidade de vivenciar na educação diversas situações que serão exigidas na vida em sociedade. 

Superar desafios

Teremos muitos desafios a superar, como déficit de aprendizagens, evasão escolar, falta de recursos e de infraestrutura, devido a crise econômica e que será necessária um planejamento que contemple esses pontos e que seja realizado trabalhos interdisciplinares e transdisciplinares com uma escola que faz sentido às nossas crianças e jovens, em um ambiente que traga desafios, e a criatividade como uma premissa a todos.

Um abraço e até 2021, 

Débora

22/11 – Dia do reciclador

By | Sustentabilidade | No Comments

Limpar o planeta. Aproveitar bem os recursos que a natureza nos dá. Transformar lixo em riquezas. Esse é o trabalho de muitas pessoas, cooperativas e empresas – os recicladores – cuja data comemoramos hoje.  

Dificilmente a importância desses agentes poderá ser exagerada. O humilde cidadão, que traciona com sua própria força a carrocinha com que recolhe papel, cartão, papelão, plásticos, vidros e metais. Aempresas e cooperativas. Os desenvolvedores de soluções inovadoras para reciclagem de materiais complexos, como embalagens longa vida e fraldas descartáveis. Os designers, que projetam novos produtos já planejando como serão reaproveitados ou reciclados. Todos merecem nossos agradecimentos e congratulações nesta data. 

 As pessoas de boa vontade trabalham para desenvolver a economia circular, com processos produtivos em que tudo possa ser reutilizado, reciclado ou retornar à natureza sem contaminá-la. Esse é o desafio para que a humanidade possa seguir produzindo mais bens sem destruir o planeta, nosso único lar em todo o universo.   

Os produtos feitos de celulose se destacam nesse esforço, porque são muito reciclados – 67% de todo o papel utilizado no Brasil em 2019 voltou a ser matéria prima valiosa, graças aos recicladores. Cerca de 80% das embalagens de cartão e papelão também. 

 Além da justa homenagem que os recicladores merecem, vamos dar a eles nosso apoio. Separar e descartar corretamente tudo o que pode ser reciclado é o mínimo que podemos fazer. Na verdade, é obrigação de todos – indivíduos, empresas e governos. 

Sejamos todos recicladores! 

Papel usado não é lixo! 

Equipe Two Sides Brasil

#twosides.org.br
twosides@twosides.org.br

Santillana e Moderna promovem a Jornada Digital da Educação Infantil

By | Institucional | No Comments

A pandemia de covid-19 trouxe mudanças significativas para o setor de Educação. Com o fechamento temporário das escolas e a adoção do sistema de ensino remoto, surgem novos desafios, especialmente para quem trabalha com crianças abaixo dos 4 anos. Como ensiná-las e promover um espaço de interação para os pequenos com todos em casa, em aulas virtuais? Como promover atividades lúdicas em espaços menores, respeitando a nova rotina das famílias? E, principalmente, como acolher a criança e preencher a grandeza que a escola ocupa em sua formação? 

Todas essas perguntas permearão os painéis da Jornada Digital da Educação Infantil, promovida pelo Grupo Santillana e a Moderna. O evento será totalmente online e acontece entre os dias 9 a 13 de novembro. As inscrições são gratuitas. 

O objetivo do evento é repensar o papel do Berçário e da Educação Infantil como formação humana essencial e colaborar com a formação de profissionais do segmento, principalmente aqueles que já estão planejando o ano letivo de 2021.  

Com uma jornada formativa completa, a programação traz debates divididos em três pilares temáticos, que acontecem em três horários ao longo da semana 

  • 10hGestão Escolar e Políticas Públicas 
  • 15hGestão do cotidiano 
  • 18h30Integralidade do ser  

Confira a programação completa com especialistas e educadores e convide toda a sua equipe!  

QUERO ME INSCREVER!

Esperamos você!

A necessidade de resgatarmos na Educação a comunidade aprendente

By | Educação inovadora | No Comments

O ano de 2020 tem sido um grande aprendizado a todos. E podemos até arriscar a dizer que estamos vivendo em um mundo que não reconhecemos mais, devido a cuidados essenciais com a pandemia e o enfrentamento do distanciamento social.

Lidar com o cenário da pandemia principalmente na Educação tem sido desafiador ao mesmo tempo que nos apresenta maneiras diferentes de possibilitar novos caminhos a Educação, como a necessidade de resgatar a comunidade aprendente.

A Educação é feita a muitas mãos e envolver esses muitos atores é essencial para que possamos caminhar rumo a educação integral, pautada na equidade e na qualidade de ensino, e como dizem a teoria é maravilhosa o difícil é realmente colocarmos em prática, nada como a resiliência e a persistência e o envolvimento de ações para o exercício da comunidade que sempre está disposta a aprender.

Alguns pontos são essenciais para que possamos estimular a comunidade aprendente, nesse momento de educação emergencial, mas também no retorno gradual das aulas presenciais.

A comunidade aprendente é que aquela que dispõe que todos estão em prol de um objetivo comum e que possui responsabilidades e deveres, isso inclui a escola, estudantes, familiares e o território educativo.

Quando ingressamos em alguma comunidade, buscamos uma referência comum, como algo que nós interesse profundamente e temos várias causas e em grupos principalmente em redes sociais. A ideia é fortalecer esse conceito também a educação, priorizando algumas redes de apoio que são essenciais, pensando que teremos muito desafios para recuperar a aprendizagem do ano 2020.

Sobre a autora do post

Débora Garofalo

Débora Garofalo

Colunista

Débora Garofalo é Assessora Especial de Tecnologias da Secretaria Estadual de Educação de São Paulo (SEE SP) e professora da rede pública de ensino de São Paulo. Formada em Letras e Pedagogia, mestranda em Educação pela PUC-SP, vencedora na temática Especial Inovação na Educação no Prêmio Professores do Brasil, Vencedora no Desafio de Aprendizagem Criativa do MIT e considerada uma das dez melhoras professoras do mundo pelo Global Teacher Prize, o Nobel da Educação.

Desta maneira, precisamos olhar para cada comunidade que temos dentro da unidade escolar e buscar que se transforme em uma comunidade aprendente capaz de se integrar através de projetos e que  contribua para que a educação ocorra.

Não adianta apenas temos excelentes professores e estudantes, é preciso que haja de fato uma comunidade integrada e aprendente em que todos juntos possam remar em uma mesma direção que conduza ao processo de aprendizado e que fortaleça a escola para o diálogo e que exerça uma gestão democrática, capaz de organizar espaços e se abrir para os  problemas da comunidades, envolvendo o território educativo, afinal convivência e transformação social são essências de uma boa educação que pode se limitar a apenas um ator. 

Deixo aqui dica de série que pode ajudar a refletir sobre esse período e a fortalecer o vínculo de uma comunidade aprendente.

Distanciamento Social: Filmada durante a quarentena, esta antologia revela os altos e baixos do dia a dia das pessoas que tentam se manter conectadas em meio ao isolamento. A série  está em exibição na Netiflix.

Precisamos de fato unificar a rede de apoio em prol de soluções comuns, dando segurança para que todos os atores possam contribuir para o processo, que não é feito apenas por um segmento, mas por um conjunto.

Um abraço e até a próxima,

Débora

LITERATURA| Douglas Tufano

By | Literatura | No Comments

A literatura na Educação Infantil proporciona à criança um desenvolvimento emocional, social e cognitivo, além é claro, de ajudar na socialização e na criatividade e ser parte importante do processo de formação de leitores críticos. O hábito da leitura não deve estar presente somente na vida adulta.

Para este ano, o autor Douglas Tufano, chega com dois lançamentos: Navegando pelo Folclore e Fábulas Escolhidas de Monteiro Lobato.

Saiba mais sobre as obras!

Fábulas escolhidas de Monteiro Lobato

Além de apresentar as fábulas de Monteiro Lobato às novas gerações, este livro traz uma nova proposta de estudo desses textos. As 12 fábulas escolhidas são acompanhadas de questões de interpretação e sugestões de debates sobre o comportamento humano.

As fábulas mostram situações que envolvem vaidade, egoísmo, solidariedade, mentira, esperteza etc. São ótimos pontos de partida para animadas conversas sobre ética e relações sociais. E por sua simbologia, ajudam a desenvolver as habilidades de leitura e compreensão de textos dos jovens leitores.

Além disso, as fábulas são acompanhadas de notas de vocabulário e propostas de leitura em voz alta e produção de textos.

Uma biografia ilustrada de Monteiro Lobato complementa a obra, situando o escritor no contexto cultural da época.

Assista vídeo do autor:

 

Navegando pelo Folclore

O que é, o que é: cai em pé e corre deitado? É a chuva! Com certeza você já se divertiu com brincadeiras desse tipo. E também já brincou de roda cantando cantigas do tempo dos seus avós e participou de festas juninas, dançando ao redor de uma grande fogueira e comendo cocada, pé de moleque, canjica e tantas outras comidas gostosas. Pois tudo isso e muitas outras coisas fazem parte do que chamamos de FOLCLORE, esse rico tesouro de conhecimentos criados pelo povo ao longo do tempo e passado de geração em geração. Neste livro vamos fazer uma viagem pela história para saber qual foi a contribuição dos indígenas, dos africanos e dos europeus na formação do nosso folclore. Você vai conhecer muitos fatos interessantes e se divertir com as histórias e brincadeiras apresentadas. Então, aceite nosso convite e vamos navegar pela história do folclore brasileiro!

Assista vídeo do autor:

Sobre o autor

Douglas Tufano nasceu em São Paulo. É formado em Letras e Pedagogia pela USP. Foi professor efetivo da rede oficial de ensino de São Paulo e trabalhou também em escolas particulares, tendo lecionado Português, Literatura Brasileira e História da Arte. Atualmente, ministra cursos de capacitação para professores de todo o Brasil a convite de Secretarias de Educação e instituições particulares de ensino. É autor de vários livros didáticos e paradidáticos, publicados pela Editora Moderna.