All Posts By

Katia Dutra

5 livros para trabalhar a cultura afro-brasileira

By | Literatura | 3 Comments

O dia 20 de novembro celebra a Consciência Negra e relembra a todos a importância de viver em um mundo repleto de diversidade. Nesta data, celebramos a influência das raízes africanas no nosso país e levantamos debates sobre temas transversais e de extrema importância como o combate ao racismo, a promoção da convivência, a cultura afro-brasileira e o respeito.

Sabendo da relevância do assunto e da necessidade de falarmos cada vez mais sobre isso com os nossos alunos, nós selecionamos 5 obras para que professores de todo o Brasil possam realizar projetos especiais, focados na conscientização e no respeito à pluralidade.

Os conteúdos dos livros podem ser trabalhados ao longo do ano ou em projetos interdisciplinares para datas comemorativas e são destinados aos diversos segmentos da educação básica. São obras de ficção e de não ficção que abordam aspectos diferenciados da cultura de influência africana e sua correlação e presença no nosso cotidiano.

Para conhecer mais sobre estes livros, entre em contato com o consultor Moderna na sua escola ou entre em contato com a nossa equipe pelo telefone 0800 17 2002 para agendar uma visita.

ENSINO FUNDAMENTAL 1

KIESE: HISTÓRIA DE UM AFRICANO NO BRASIL

Antepassados
Editora Moderna

Autor: Ricardo Dreguer
Edição: 1ª Edição
Ilustração: Bruna Assis Brasil
Faixa etária: A partir de 09 anos
Trabalho interdisciplinar: Geografia, História, Português
Indicação: 4º Ano (EF1), 5º Ano (EF1), 6º Ano (EF2)
Assunto: África, Cultura afro-brasileira, Escravidão no Brasil
Tema transversal: Cidadania, Pluralidade Cultural, Ética
ISBN: 9788516096700

Sinopse: O livro narra a trajetória de Kiese, um menino que foi capturado ainda na infância em sua aldeia, na África, e trazido para o Brasil para ser escravizado. É também a história de muitos africanos que foram tirados de seu território, separados de seus familiares e amigos e trazidos para o Brasil ao longo do tempo que durou o regime escravista em nosso país. A história de Kiese é a história de um brasileiro que lutou para conquistar um lugar para ser feliz com sua família, seus amigos e sua gente. Sua história se confunde com a própria formação do Brasil.

O QUE HÁ DE ÁFRICA EM NÓS?

Coleção Viramundo
Editora Moderna

Autor: Wlamyra R. de Albuquerque, Walter Fraga
Ilustração: Pablo Mayer
Faixa etária: A partir de 09 anos
Trabalho interdisciplinar: História, Português
Indicação: 4º Ano (EF1)
Assunto: africanos, escravidão, negros no Brasil
ISBN: 9788516084769

Sinopse: O que há de África em nós é um livro de viagens. Os personagens atravessam o oceano Atlântico, visitam outros períodos históricos, embarcam em navios e chegam a lugares e situações diferentes. Tudo começa com uma pergunta: Desde quando o mundo é mundo? Essa questão nos leva ao continente africano. Venha navegar com Cecília, Camila, Akin, Chico, Isabel e Alice nessa incrível história sobre a presença africana no Brasil.

ENSINO FUNDAMENTAL 2

A AMIZADE ETERNA E OUTRAS VOZES DA ÁFRICA

Veredas
Editora Moderna

 

Autor: Ilan Brenman
Edição: 1ª Edição
Ilustração: Catarina Bessell
Faixa etária: A partir de 09 anos
Trabalho interdisciplinar: Geografia, História, Português, Português
Indicação: 4º Ano (EF1), 5º Ano (EF1), 6º Ano (EF2), 7º Ano (EF2)
Assunto: África, ancestralidade, astúcia, escravidão, esperteza, origem, traição
Tema transversal: Pluralidade Cultural
ISBN: 9788516103637

Sinopse: Cada conto deste livro tem no seu DNA a sabedoria, o humor, a perspicácia e a celebração da vida, deixando um legado de inestimável valor para os homens do futuro.

UM GRITO DE LIBERDADE: A SAGA DE ZUMBI DOS PALMARES

Recontando a História
Editora Moderna

Autor: Álvaro Cardoso Gomes, Rafael Lopes de Sousa
Edição: 1ª Edição
Faixa etária: A partir de 11 anos
Trabalho interdisciplinar: História, Português
Indicação: 6º Ano (EF2), 7º Ano (EF2), 8º Ano (EF2), 9º Ano (EF2)
Assunto: Escravidão, Palmares, Quilombos, Sociedade Açucareira, Zumbi
Tema transversal: Pluralidade Cultural
ISBN: 9788516102753

Sinopse: Um jovem escravo, batizado como Francisco, vive em companhia de um padre que é seu protetor. Aprendeu a ler, a escrever e tem regalias que seus companheiros não têm. Mesmo assim, é um eterno descontente, porque almeja conquistar o bem que considera mais precioso – a liberdade. Ao mesmo tempo, a história contempla também o drama da jovem Kênia, uma escrava recém-chegada da África e que se apaixonará por um forte guerreiro chamado Vemba. Contando com muita ação, lutas sangrentas, atos de heroísmo, a narrativa procura resgatar a saga de Palmares. No reino criado pelos negros, estes personagens farão de tudo para manter acesa a chama da liberdade.

DA COR DA ESPERANÇA: A LIBERTAÇÃO DOS ESCRAVOS

Recontando a História
Editora Moderna

Autor: Márcia Abreu
Edição: 1ª Edição
Faixa etária: A partir de 11 anos
Trabalho interdisciplinar: História, Português
Indicação: 6º Ano (EF2), 7º Ano (EF2), 8º Ano (EF2), 9º Ano (EF2)
Assunto: Abolicionismo, Caifazes, Escravidão, Lei Áurea
Tema transversal: Pluralidade Cultural, Ética
ISBN: 9788516102746

Sinopse: Que cor deve ter alguém para ser gente? De que cor deve ser para ter esperança? Até o século XIX, muitos negros foram escravizados e tratados como animais ou coisas. Eram comprados e vendidos, trabalhavam à força, eram castigados duramente. Gente não se submete a este tipo de tratamento sem revolta, por isso eles organizaram rebeliões e fugas, resistiram aos desmandos e lutaram para se tornar livres. Da cor da esperança conta a história de um grupo de negros – escravos, livres e libertos – desde a captura na África até os movimentos abolicionistas. Gente que tinha dor e queria ser livre, gente que sofria e fazia festa, gente que amava e sentia medo.

Conheça outras obras

Preparamos um catálogo especial para os professores que têm interesse em trabalhar com os elementos da cultura africana na sala de aula. Vale lembrar que a Unesco proclamou a década de 2015 a 2024 como a Década Internacional das Pessoas de Ascendência Africana e, para isso, organizou a campanha “Afrodescendentes: reconhecimento, justiça e desenvolvimento”. Confira mais algumas obras do nosso catálogo que trabalham o tema e são específicas para cada segmento.

Tecnologias Assistivas na Educação

By | Educação inovadora | No Comments

Para conversar sobre Tecnologias Assistivas, é necessário antes dialogar sobre Educação Inclusiva.

A educação inclusiva compreende um espaço para todos, favorecendo a diversidade por acolher os estudantes com mobilidade reduzida. O tema ainda é muito delicado na educação, por conter diversas fragilidades, como: salas com muitos alunos, ausência de funcionários, formação docente.

Há necessidades que interferem de maneira significativa no processo de aprendizagem e que exigem atitudes educativas específicas da escola, como utilização de recursos e apoio especializado para garantir a aprendizagem dos estudantes. É neste cenário que as Tecnologias Assistivas podem contribuir para que o professor atue dentro da sala de aula.

Saiba mais sobre Tecnologias Assistivas

É uma área do conhecimento que tem como característica interdisciplinar ao englobar produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que promovem a funcionalidade relacionada à atividade e participação de pessoas com deficiência, mobilidade reduzida, visando sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social.

Mas, como colocar isso em prática?

Para transformar a educação, alguns caminhos e passos são possíveis a começar pelo acolhimento, como:

Abertura ao diálogo: Abrir espaços para que alunos, comunidade, familiares, professores, funcionários possam conversar sobre a diversidade, valorizando convívio, interação, cooperação e respeito mútuo.
Formação docente: É necessário o fortalecimento de formação dos professores, buscando criar uma rede de apoio entre educação e saúde.
Flexibilização do Currículo: É necessário flexibilizar o currículo, atendendo à realidade de cada estudante. Não é uma tarefa fácil, principalmente quando faltam recursos, mas é um passo essencial na construção de aprendizagem destes alunos. Levar para sala de aula artigos, vídeos, textos, músicas que abordem as experiências e aprendizagens em inclusão, como debates sobre culturas, povos, raças e as diferentes necessidades especiais.
Projeto pedagógico inclusivo: A inclusão deve garantir a todas as crianças e jovens o acesso à aprendizagem por meio de possibilidades de desenvolvimento. Algumas são passíveis ocorrer pelo Conselho de Escola e APM, como mudanças são na reestruturação física das escolas, com a eliminação das barreiras arquitetônicas, espaço acolhedores de aprendizagem

Sobre a autora do post

Débora Garofalo

Débora Garofalo

Colunista

Débora Garofalo é Assessora Especial de Tecnologias da Secretaria Estadual de Educação de São Paulo (SEE SP) e professora da rede pública de ensino de São Paulo. Formada em Letras e Pedagogia, mestranda em Educação pela PUC-SP, vencedora na temática Especial Inovação na Educação no Prêmio Professores do Brasil, Vencedora no Desafio de Aprendizagem Criativa do MIT e considerada uma das dez melhoras professoras do mundo pelo Global Teacher Prize, o Nobel da Educação.

Recursos gratuitos disponíveis

Atualmente, existe uma série de programas para os alunos com mobilidade reduzida. Entre eles, podemos citar os programas gratuitos:

Teclado virtual que pode ser utilizado na tela do computador com auxilio de uma caneta especial.

Head mouse é um programa desenvolvido para permitir que pessoa que não tem os movimentos dos braços possam usar o computador e navegar pela internet sem ajuda de outras pessoas ao captar a imagem sendo acionado com um movimento e um piscar de olhos.

DOSVOX é um sistema destinado a auxiliar a fazer uso de computadores através do uso de sintetizador de voz.

PRO DEAF O software faz tradução de texto e voz da Língua Portuguesa para Libras, a língua brasileira de sinais, para facilitar a comunicação entre deficientes auditivos e ouvintes.

HandTalk Para deficientes auditivos que utilizam a Língua Brasileira de Sinais ou para quem deseja se comunicar com eles, mesmo sem saber LIBRAS, o aplicativo funciona como um tradutor simultâneo dos dois idiomas. A ferramenta está disponível gratuitamente no Google Play e na AppStore.

A educação inclusiva é um caminho para contemplar a diversidade mediante a construção de uma escola que ofereça propostas e que atenda às reais necessidades dos alunos, criando espaços de convivência. São muitos os desafios, mas, as iniciativas e as alternativas realizadas pelos educadores são fundamentais para este processo.

E você querido professor, como trabalha com a educação inclusiva em sua sala de aula? Conte aqui, nos comentários.

Um abraço.

A mídia impressa ajuda a proteger as florestas

By | Institucional, Sustentabilidade | No Comments

No mundo todo, indústrias que usam madeira para produção de celulose e de papel plantam, todo os dias, o equivalente à área de 1.500 campos de futebol de florestas. No Brasil hoje, há 7,8 milhões de hectares de plantações de árvores, na maioria eucaliptos e pinus. Muitas pessoas chamam esse tipo de plantio de “reflorestamento”, mas não é correto dizer isso, uma vez que não se trata de substituir uma floresta nativa por outra, plantada com espécies exóticas.

As áreas destinadas ao plantio de árvores para produção de celulose e papel, no Brasil, são aquelas que há muitas décadas já são usadas para atividades agropecuárias. Tal plantio em nada prejudica a manutenção de ecossistemas nativos. Ao contrário, ao plantar as árvores que serão usadas como matéria-prima, essas indústrias ajudam a evitar a destruição de matas nativas. Além disso, a indústria brasileira de base florestal é responsável pela preservação de 5,6 milhões de hectares de ecossistemas nativos, ou seja, 0,7 hectares de matas preservadas para cada um dos 7,8 milhões de hectares de florestas plantadas. É importante observar que as áreas plantadas com árvores para produção de celulose e papel correspondem a apenas 0,3% do território nacional ou 2,2% da área disponível para agricultura atualmente.

Outras pessoas dizem que a plantação de eucaliptos é prejudicial ao meio-ambiente por ser uma monocultura. Mas, assim como tantas outras monoculturas, seu manejo correto pode permitir um equilíbrio satisfatório com o meio ambiente. Esse tipo de manejo acontece nos plantios realizados pela indústria brasileira. O Brasil já é o 7º no ranking total de certificações do sistema FSC, a principal entidade certificadora de boas práticas no manejo florestal, respeitada mundialmente.

Manoel Manteigas de Oliveira

Diretor técnico da Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica – ABTG e de Two Sides Brasil

#PROFESSORPRESENTE | Por que os professores não querem ser homenageados?

By | Novidades | No Comments

Todo ano no dia 15 de outubro os professores são saudados por praticamente todo os tipos de mídia, seja ela de massa, on-line ou off-line. Que eles merecem todo tipo de homenagem, é indiscutível, mas será que é isso mesmo o que eles querem?

Dados da pesquisa Profissão Professor, de julho de 2018, realizada pelo IBOPE Inteligência e encomendada pelo Todos Pela Educação e pelo Itaú Social, mostram que é possível entender o quanto a profissão que merecia pleno destaque no Brasil, ainda precisa de muita atenção e valorização.

Com maioria de mulheres (68%) e que trabalham, em média, 17 anos no corpo docente das escolas brasileiras, 71% dos professores são responsáveis pela renda familiar. O principal motivo pelo qual o professor escolhe sua profissão é o prazer por ensinar e formar pessoas. Porém, não aconselha aos jovens de hoje a seguirem o mesmo caminho, pois consideram o trabalho pouco reconhecido.

Valorização.

A Moderna acredita que o professor precisa do essencial: formação constante; compreender e ser compreendido pelas famílias; ter voz para participar de decisões importantes da escola; enfim, ser reconhecido por um trabalho que empodera pessoas.

Nossa campanha é de reconhecimento. Afinal, um dia de homenagens é pouco quando podemos ter um ano inteiro de valorização e respeito.

#ProfessorPresente

SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO PRESENTE – EVENTO GRATUITO

By | Eventos | No Comments

Os autores do Projeto Presente convidam professores da Educação Infantil e do Fundamental 1 para mais uma edição do Seminário de Educação Presente, que acontecerá no próximo dia 20 de outubro de 2018, no Hotel Renaissance, em São Paulo. As vagas são limitadas e as inscrições devem ser feitas pelo e-mail rcastro@richmond.com.br ou pelo telefone (11) 2790 -1379.

O tema central do encontro será APRENDER EM REDE: DESAFIOS E POSSIBILIDADES e vai abordar como a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e as novas tecnologias digitais podem impactar a educação. A programação conta com uma palestra especial de Lilian Bacich, doutora em Psicologia pela USP, mestre em Educação e autora do Projeto Presente Ciências, e Leandro Holanda, mestre em Ciências pela USP e coordenador da área de STEM no colégio Albert Sabin, para falar sobre como as metodologias ativas são possibilidades para fortalecer essas competências e favorecer a construção de conceitos.

A programação ainda conta com palestras em formato TED que discutem a aprendizagem global a partir de cada componente curricular. Os autores do Projeto Presente compartilham suas descobertas na elaboração de hipóteses, problematização, criação de conhecimentos e sua sistematização

A Educação Infantil também tem espaço no Seminário de Educação Presente. Preparamos oficinas exclusivas para os professores do segmento infantil nas áreas de Linguagem e Matemática. É um momento de compartilhar iniciativas e construir juntos novos caminhos para uma educação de qualidade.

Contamos com a sua presença