fbpx

5 maneiras simples de aumentar a motivação dos estudantes

By 17/05/2021ATIVAR

Não importa o formato em que o professor esteja trabalhando, lidar com a falta de motivação dos estudantes sempre foi um desafio. O desafio, no entanto, tem aumentado desde que a pandemia assolou a nossa realidade transformando o nosso cotidiano e, consequentemente, a nossa prática pedagógica. Diariamente, professores vêm me trazer a seguinte demanda: como engajar os estudantes? Para isso, é preciso levarmos alguns tópicos iniciais em consideração:

                1. O tão falado protagonismo do estudante vem ganhando cada vez mais espaço e demanda. Aquele formato de apenas ser um ouvinte, em todas as aulas, vem sendo deixado de lado à medida que novas metodologias são aprendidas e implementadas. Especialmente em idades em que os estudantes se comunicam e criam na internet, para eles, fará cada vez menos sentido se deslocar a um espaço de aprendizagem para cumprir um papel passivo. Ser protagonista, como num filme, é ser aquele que tem sua história revelada, valorizada, é ter sua voz ouvida e suas experiências compartilhadas.

                2. Com quem estou lidando? Em meio a tantas atividades, deveres a serem cumpridos, planejamentos e avaliações a serem desenvolvidas, muitas vezes, um aspecto fundamental é esquecido: conhecer quem são os nossos alunos. O que gostam? Quais seus interesses? O que não gostam? No que se consideram bons? Quem são seus ídolos? E seus talentos? E suas músicas favoritas? E seus filmes e séries?

              3. Autonomia pode ser a chave para uma educação emancipatória, que forma não apenas pessoas para o mercado de trabalho, mas para a cidadania consciente. Autonomia para serem criativos, autonomia para resolver problemas, autonomia para criarem, inovarem, inventarem. E autonomia vem com… Opções de escolha. É preciso criarmos um ambiente escolar com mais poder de decisão aos estudantes.

Tendo isso em mente, vamos às cinco formas simples de aumentar a motivação e o engajamento dos estudantes.

1. Incluir elementos que fazem parte de suas realidades e interesses: uma forma de fazer isso, é adicionar à sua comunicação/apresentação, memes que tenham relação com o conteúdo que você está explorando. Existem memes de diversas áreas do conhecimento e páginas em redes sociais totalmente destinadas a esse tipo de conteúdo. Logo que veem um meme na apresentação do professor, os estudantes logo se perguntam: mas o que isso quer dizer? Que sacada está por trás disso? Ou o que isso quer dizer? O interesse e curiosidade são despertados e o professor pode aproveitar o recurso para fazer análise, interpretação, pesquisa e conferir se a informação é correta ou, ainda, entender ironia, sarcasmo, etc. Ah, e se você pensa que meme é bobagem, procure por MEMES no documento da BNCC.

2. Vai solicitar um trabalho? Dê opções de escolha. Se uma das possibilidades for o desenvolvimento da cultura digital, por exemplo, que tal desafiá-los a produzirem um vídeo-minuto, uma fotodenúncia ou meme, por exemplo? Assim, as equipes podem pensar em todas as alternativas, negociar entre si (com autonomia) e entender qual é o melhor caminho para fazerem um bom trabalho.

3Técnica 2 verdades e 1 mentira: essa é uma forma de engajar os estudantes que eu usei muito, especial no ensino médio. A técnica é muito básica e antes de iniciar um conteúdo, com o propósito de engajá-los com a temática e gerar conexões com o tema, eu preparava 2 verdades sobre aquele tema e 1 mentira. Assim que eu lançava as afirmações, todos precisavam, em dupla ou trios, fazer pesquisas para descobrir qual era a mentira e justificar o motivo.

4. Debates também são outra forma bastante interessante de propiciar protagonismo e interação entre os estudantes. Em história, particularmente, gosto de dividir a turma em dois grandes grupos, que devem defender uma causa, movimento, ideia, etc. Depois, invertemos os grupos, de modo que todos os grupos devem defender todos os lados ao final do processo, o que dá uma visão ampla e envolve a pesquisa e estudo de todos os lados envolvidos.

5. Momentos de interação: momentos para revisar rapidamente como está o andamento, se estão entendendo, se têm dificuldade em algum tópico. Gosto de avaliações rápidas que envolvam fazer um sinal de ok com as mãos ou com o polegar pra baixo indicando alguma dificuldade. Também pode ser feito com cartazes, fichas pequenas que ficam na carteira ou respondendo quizzes. É importante pensarmos na variação de estratégias para incluir os estudantes mais tímidos, que tendem a esconder dificuldades por vergonha ou algum receio.

Espero que essas ideias ajudem na sua prática, sempre partindo do interesse pelas pessoas com quem trabalhamos e a valorização de suas trajetórias, contexto de vida e histórias.

Um grande abraço digital,

Professora Emilly Fidelix | @seligaprof

Sobre a autora do post

Emilly Fidelix

Emilly Fidelix

Colunista

Emilly Fidelix é criadora do @seligaprof, onde impacta milhares de professores de todo o Brasil, palestrante e formadora de professores. É doutoranda em História Cultural (UFSC), especialista em Tecnologias, Comunicação e Técnicas de Ensino (UTFPR), colunista no blog Redes Moderna e professora de pós-graduação no Instituto Singularidades. Atua nas áreas de metodologias ativas, storytelling aplicado à educação e BNCC.