fbpx

A importância de intensificar o trabalho com habilidades socioemocionais em tempo de pandemia

No início da suspensão das aulas, devido a pandemia, tínhamos a impressão inicial que ficaríamos sem o convívio social e das aulas presenciais por duas ou três semanas. No entanto, estamos caminhando para três meses em isolamento social e isso tem impacto na aprendizagem e também no relacionamento dos nossos estudantes que estão lidando com muito sentimentos, privações e situações neste momento de angústia a todos. 

Diante da ausência das aulas presenciais e conhecendo as dificuldades enfrentadas no período de isolamento, tornou-se essencial intensificar o trabalho com as habilidades socioemocionais, principalmente porque já temos conhecimento que nós professores e nossos estudantes não somos os mesmos e que mesmo no retorno presencial enfrentaremos o distanciamento social e aquele abraço, aquele carinho e ou o beijo no colega demore um pouquinho mais para acontecer.

E com a pandemia outro ponto precisa ser falado e trabalhado, trata-se do luto, muitos educadores e também estudantes estão passando por esse doloroso momento, em que faz necessário falar, discutir, contar histórias, se apoiar para seguir em frente.

As habilidades socioemocionais podem ser trabalhadas de maneira interdisciplinar e ou transversal, em que as competências podem ser vivenciadas, praticadas tanto no ambiente escolar e ou pela família e que são essenciais para a formação do indivíduo. 

As habilidades a ser trabalhada estão relacionadas as emocionais como sentimentos raiva, angústia, pressão, alegria, entusiasmo, éticas, as relacionadas a valores e também as habilidades híbridas, como criatividade. Podendo ser amplamente vivenciada com projetos mãos na massa. Entre as habilidades estão autogerenciamento, autoconsciência,  autocuidado, consciência social, entre outras que envolvem tomadas de decisão e principalmente o convívio entre as pessoas, formando assim o estudante de maneira integral, com valores integrais.

Como trabalhar com as habilidades emocionais nas aulas

Existem diversas maneiras de trabalhar com o tema nas aulas, inclusive em aulas ministradas por auxílio da tecnologia.

Sobre a autora do post

Débora Garofalo

Débora Garofalo

Colunista

Débora Garofalo é Assessora Especial de Tecnologias da Secretaria Estadual de Educação de São Paulo (SEE SP) e professora da rede pública de ensino de São Paulo. Formada em Letras e Pedagogia, mestranda em Educação pela PUC-SP, vencedora na temática Especial Inovação na Educação no Prêmio Professores do Brasil, Vencedora no Desafio de Aprendizagem Criativa do MIT e considerada uma das dez melhoras professoras do mundo pelo Global Teacher Prize, o Nobel da Educação.

Acolhimento

Inicie as aulas realizando um acolhimento com estudantes, proponha contação de estórias, um jogo em que o estudante possa trabalhar com as habilidades socioemocionais. Outra possibilidade é levar para a aula estudos de casos para que os estudantes reflitam sobre diversas situações e proponham soluções. 

Atividade entre pares

Proponha atividades, que mesmo a distância os estudantes tenham de consultar os colegas e que trabalhe com a colaboração e a empatia. Outra dica é propor problemas aos estudantes para que eles tenham que exercitar o socioemocional, como jogos, quiz, atividades mão na massa que é uma fonte para o trabalho com a cultura maker.

Explore o momento da pandemia

Trabalhar com as habilidades socioemocionais também é expor esse período e permitir que os estudantes tenham uma oportunidade de falar sobre esse momento e como estão superando. As histórias podem ser realizadas em podcast em uma espécie de diário da pandemia, com os gravadores do celular e ou outra maneira que o estudante tenha acesso a esse momento e ou ainda em murais coletivos com o uso do padlet em que os estudantes escolham e exponham uma imagem sobre o seu sentimento e como está lidando com eles.

São muitos os benefícios de uma aprendizagem propiciada através do trabalho com as habilidades socioemocionais, como uma melhora na aprendizagem, autonomia, colaboração, resolução de problemas, empatia, protagonismo, combate ao bullying e ao cyberbullying, entre outros, para que possamos de fato se apoiar uns aos outros e superar esse momento, exercendo na prática o autocuidado. 

Um abraço carinhoso e até a próxima,

Débora

Leave a Reply