LEITURAS DE VESTIBULAR

Por Douglas Tufano

Para a grande maioria dos alunos, os livros de literatura pedidos nos vestibulares são desinteressantes, pois não tratam de problemas que dizem respeito aos jovens de hoje. E para agravar o problema, a linguagem literária ainda dificulta mais a compreensão dessas obras. Alguns alunos dizem que não conseguem compreender o que estão lendo, têm que recorrer a todo instante ao dicionário mas, depois de algumas páginas, isso cansa e desanima.

A meu ver, o problema está na falta de preparação para essas leituras. O professor precisa ajudá-lo a ler, deve servir como intermediário entre o estudante e o livro. Sem essa orientação, é claro que a leitura se torna penosa e desanimadora.

Para ajudar tanto o professor como os alunos, preparei para a editora Moderna uma nova edição dos autores clássicos brasileiros que mais caem no vestibular (Machado de Assis, Aluísio Azevedo, Raul Pompeia, José de Alencar, Lima Barreto, entre outros). A novidade é que esses livros agora são acompanhados de notas que vão além de explicações de vocabulário. Elas orientam a leitura, dão dicas e pistas sobre o significado de certos episódios, chamam a atenção sobre os recursos de estilo do autor, esclarecem o contexto histórico e social em que transcorre o enredo. Além disso, trazem uma biografia do autor e mostram as características principais de sua época literária. Dessa maneira, é como se o leitor tivesse um professor ao seu lado. A leitura flui com muito mais facilidade. Por isso, minha sugestão é que o aluno faça uma programação de leitura com tempo suficiente para ler cada livro com calma.

Outra dica importante para o aluno se preparar é resolver as questões que já caíram sobre os livros que está lendo. Há obras que ficam vários anos nas listas de leituras obrigatórias; por isso, já foram objeto de muitas questões. Rever essas questões e tentar resolvê-las é sempre um bom teste para recordar pontos importantes dessas obras.

Não se pode esquecer que uma coisa é absolutamente certa: se há uma lista de leituras obrigatórias, é porque no exame vão cair perguntas sobre esses livros. Será que o vestibulando prefere jogar fora os pontos que poderia ter se lesse bem as obras? Muitas vezes, são esses pontos que fazem a diferença na classificação final…

(Douglas Tufano, professor de literatura e redação do ensino médio, autor de livros didáticos e paradidáticos da editora Moderna)