Dia nacional do livro infantil

Dia 18 de abril é comemorado o Dia do Livro Infantil no Brasil. A data foi escolhida em homenagem ao dia de nascimento do escritor Monteiro Lobato.

Com a vontade de “fazer livros onde as crianças possam morar”, Monteiro Lobato foi um dos mais importantes escritores brasileiros e criou obras infantis com personagens que perduram há várias gerações.

Todo mundo já ouviu falar de Emília, Narizinho, Pedrinho, Visconde de Sabugosa, Tia Nástacia e Dona Benta… afinal, essas personagens marcaram a infância de muita gente.

Nesta data especial, ninguém melhor do que Pedro Bandeira, autor e estudioso de Monteiro Lobato, para falar sobre essa figura tão presente na literatura infantil!

MONTEIRO LOBATO: GÊNIO OU VILÃO?

Por Pedro Bandeira

No ano em que a obra de Lobato passa a domínio público, recrudescem as críticas aos pontos sombrios de sua atuação política na primeira metade do século passado: Racista! Eugenista! Classista! Aristocrata enrustido!

Não pretendo defender sua memória procurando negar essas acusações porque é verdade que em cartas para seus amigos e em algumas crônicas cabeludas o escritor de Taubaté soltou a língua escrevendo opiniões que arrepiam os cabelos dos leitores do século XXI. Um vilão!

Mas, como escritor para crianças, Lobato foi somente um GÊNIO. Ele criou uma menina de 7 aninhos perfeita, a maravilhosa Narizinho. Penetrou em sua mente, vasculhou sua capacidade de fantasiar o mundo, revelou sua curiosidade criativa, tudo isso antes que a Psicologia tentasse explicar-nos o que ocorre nas cabecinhas dos seres humanos em sua fase de formação da personalidade, em seu amadurecimento, em sua preparação para a vida adulta. Releia Reinações de Narizinho e surpreenda-se com a perfeição com que ele compreendeu como somos, como criamos e como fantasiamos nesse período da vida em que não se é mais uma “criancinha” e ainda não se chegou à pré-adolescência. Ou melhor, leia a adaptação que eu fiz deste livro e intitulei como Narizinho, a menina mais querida do Brasil, com lançamento previsto para 2019.

O único ponto que alguns consideram deslizes de Lobato são os momentos em que a boneca Emília ofende a Tia Nastácia com xingamentos racistas. Nesse ponto, compreenda que Lobato criou uma boneca que, ao conseguir falar, demonstra-se como alguém que nunca recebeu educação e que fala o que lhe vem à veneta.

Ou faça como eu faço: ao pensar em meu pai, suponho que ele tenha sido uma pessoa normal, com qualidades e defeitos. Mas, quando eu falo dele, esqueço os defeitos e até douro suas qualidades. No caso de Lobato, suas qualidades como brasileiro e como escritor superam com imensa folga os defeitos que ele eventualmente tenha revelado como o ser humano que foi. E essas qualidades são tantas, que eu afirmo que ele fez minha cabeça, como meu pai teria feito se não tivesse morrido tão cedo, quando eu ainda estava na barriga da minha mãe.

PARA SABER MAIS SOBRE MONTEIRO LOBATO: