Pablo Picasso: o visionário da Espanha

By 25/10/2012Dicas, Geral

Boa tarde, amigos modernos.

Pablo Ruiz Picasso é sinônimo da arte no século XX. Um dos mais lembrados artistas de todos os tempos, nasceu em 25 de outubro de 1881, na cidade de Málaga, na Espanha. Filho de um professor de desenho e pintura, teve seu talento reconhecido ainda na adolescência.  Estudou na Belas-Artes, em Barcelona, com grandes nomes da arte. Dali, marcaria seu nome para sempre como um dos maiores pintores e artistas da humanidade.

Hoje, damos espaço para esse grande Mestre das Artes e gênio da pintura contemporânea.

Períodos da pintura de Picasso

Apesar de ter estudado durante o início de sua vida artística em Barcelona, sua grande paixão sempre foi a vida parisiense. Mudou-se para a França em 1900 para se aproximar da capital mundial da arte. Por ter começado a pintar muito cedo e pelo seu interesse em diversos campos do conhecimento e pelo domínio de várias técnicas, o legado de obras de Pablo Picasso é vasto. Existem quadros com temáticas políticas, cotidianas, de amor, de dor, de guerra etc. Para facilitar o estudo do pintor, suas obras são divididas em várias fases, de acordo, principalmente com a valorização de cores ou técnicas.

 

O período Azul (1901 -1904)

A fase Azul é marcada pela expressão de sentimentos complexos de perda e de tristeza. Estima-se que a motivação de Picasso para o período azul foi o suicídio de seu grande amigo Carlos Casagemas, em 17 de fevereiro de 1901. Com apenas 20 anos, o pintor passou a priorizar tons de azul e verde escuros em suas telas, exprimindo sentimentos de dor e perda. Mais tarde, ele faria obras sob o olhar dos marginalizados da sociedade, colocando melancolia e dando voz aos cegos, aos pobres e referenciando a alienação e o desespero.

The Old Guitarist – Pablo Picasso (1903)

O período Rosa (1905 -1907)

Em sequência à fase azul, Picasso muda o seu estilo para algo mais alegre, repleto com cores vivas como o rosa, o vermelho e o laranja. Para os estudiosos, a fase está diretamente relacionada à paixão de Picasso por sua modelo e musa na época, Fernande Olivier.  Nessa época, observa-se a temática circense das obras de Picasso.

A fase Rosa apresenta a influência nos saltimbancos do circo Médrano, instalado próximo ao ateliê do pintor. Dessa forma, o quadro A Família de Saltimbancos é classificada como a principal desta fase.

A Família de Saltimbancos – Pablo Picasso (1905)

O período Africano (1907 – 1909)

O chamado período africano marca a transição de estilo de Pablo Picasso em relação ao uso de formas, proporções e dimensões aquém das cores e da influências da cultura grega, ibérica e africana. O quadro As Senhoritas de Avignon é o exemplo mais importante e que marca o início da próxima fase: o cubismo. Assim, alguns chamam as obras dessa fase de protocubistas.

As Senhoritas de Avignon – Pablo Picasso (1907)

O período cubista (1909 – 1919)

A fase cubista foi considerada visionária por críticos da época por romper com a profundidade espacial, representando as figuras em diversos planos. Até 1912, o estilo ficou conhecido como “cubismo analítico” e teve forte influência das obras de Paul Cézanne e teve como grande idealizador Georges Braque com as suas cores monocromáticas – principalmente relacionadas ao marrom.

A principal ideia era desmembrar objetos e paisagens e estudar suas formas. A técnica abriu as portas para a imaginação na pintura. A partir dos trabalhos cubistas, os artistas a época perceberam que a pintura não deveria retratar a realidade como ela é, mas como eles a enxergam. Assim, o pensamento artístico mudou e o artista passou a ser livre para escolher novas temáticas, formas e novos materiais para construção de suas obras. Dessa fase, podemos citar o quadro Horta d’Ebre.

Horta d’Ebre – Pablo Picasso (1909)

A partir de 1912, quando já dominava a técnica cubista nas paisagens e objetos, Picasso passou a se interessar pela colagem. Assim, utilizava pequenos papeis colados em suas obras e criava a fase do “cubismo sintético” em que prevalece a construção do objeto através de seus planos essenciais. Dessa fase, as duas principais obras são Natureza Morta com Cadeira de Palha (1912) e Natureza Morta Dentro de uma Paisagem (1915)

Natureza Morta com Cadeira de Palha – Pablo Picasso (1912)

Classicismo e surrealismo (1919)

Pablo Picasso era um homem de personalidade forte e sempre relacionou a arte ao seu estado de espírito. Conta-se que trabalhava arduamente durante a noite e até o dia amanhecer, além disso, sua espantosa versatilidade dava-lhe um sentido visionário. Durante a Primeira Guerra Mundial, Picasso produziu obras em um estilo neoclássico e voltando a suas origens. Nessa época, a vida de Picasso foi marcada por seu casamento com a bailarina Olga Koklova, com quem teve uma vida abusivamente afortunada e convencional e tediosa.

 Guernica (1937)

A partir do início da década de 1930, Picasso começaria a ter problemas em seu casamento com Olga. A união acabaria em 1935 e, posteriormente, a bailarina seria retratada por Picasso como uma fera em suas obras. A Segunda Guerra Mundial trouxe uma nova inspiração política ao artista que passou a retratar em suas obras o tema.

Assim, em 1937, ele cria Guernica, sua obra-prima. Para quem não sabe, Guernica é uma cidade espanhola que foi bombardeada pelas tropas de Hitler. A ação demonstrou ao povo espanhol o apoio dos nazistas ao  general espanhol Francisco Franco, líder contra a República Espanhola.

Quando analisado em partes, o quadro revela alguns dos terrores da guerra:

Picasso sempre se posicionou contra os abusos políticos ditatoriais. Era um incentivador do comunismo e acreditava no poder da sociedade. Permaneceu em Paris durante a Segunda Guerra Mundial, mas sempre manifestou sua oposição à ditadura de Franco em seu país natal. A vida pessoal de Picasso passou por tumultos na década de 1940, quando conheceu a artista Françoise Gilot. Gilot foi uma artista com quem Picasso teve dois filhos – Claude e Paloma. Ela foi a única mulher a deixá-lo (1953) e a única que ele não distorceu em suas pinturas. Ao contrário, com o fim do romance, o artista desfigurou sua própria imagem.

Morte

Pablo Picasso deixou Málaga na Espanha para se tornar um patrimônio da cultura mundial. Picasso vive em cada pincelada de seus quadros, em cada cerâmica e em todas as artes gráficas que criou. Até o fim de sua vida, em 08 de abril de 1973, Picasso foi um artista ativo com o poder de representar suas crenças através de sua arte.

Saiba mais

Pablo Picasso – Coleção Mestres das Artes

Autor e ilustração: Mike Venezia

Faixa etária: A partir de 08 anos

Indicação: 3º Ano (EF1), 4º Ano (EF1), 5º Ano (EF1)

Área: Arte

Assunto: Vida e obra de Picasso (1881-1973)

Tema transversal: Ética

Número de páginas: 32

 

 

 

Confira também o documentário da BBC sobre a vida e a importância de Pablo Picasso para a arte: