fbpx

Raul Seixas: a mosca que pousou na sua sopa

By 28/06/2012Dicas, Geral

Boa tarde, amigos modernos.

O rock ‘n roll por muito tempo foi visto como uma forma de protesto de uma juventude rebelde. As roupas pretas com unhas e olhos pintados e cabelão criaram o estereótipo do jovem roqueiro no mundo inteiro. Aqui no Brasil, nós tivemos um exemplar a parte do rock ‘n roll.

Raul dos Santos Seixas nasceu em 28 de junho de 1945, em Salvador, Bahia, filho de Raul Varella Seixas e Maria Eugênia Seixas . Apesar de ter origem no celeiro da Tropicália, sendo contemporâneo de grandes nomes como Caetano Veloso, Gal Costa e Gilberto Gil, Raulzito teve em sua infância a forte influência do rock ‘n roll. A assimilação com o gênero musical aconteceu principalmente por causa da amizade com filhos de norte-americanos, vizinhos de Raul, que trabalhavam no consulado dos Estados Unidos, na Bahia.

Engana-se quem pensa que Raul Seixas foi contra a cultura brasileira ou que ele tenha renegado nossas origens. Engana-se também quem pensa que o diferencial das músicas de Raul esteja relacionado apenas a voz marcante, repleta de agudos e graves.  Raul Seixas marcou (e diria que ainda marca) gerações por suas composições atemporais, inteligentes e provocativas.

Raul Seixas é um símbolo na música de protesto de nosso país. Foi uma mosca que incomodou e que continuaria incomodando por muito tempo se não fosse seu vício em bebidas. Raul Seixas faleceu em 21 de Agosto de 1989, vítima de um ataque cardíaco em virtude de problemas causados pela bebida e de complicações da diabetes.

Trajetória Musical

Raul Seixas era o pior aluno de sua sala. Repetiu diversas vezes. Achava a escola um ambiente desinteressante. Tudo isso era compensado em casa com sua paixão pela leitura. Lia muito e lia de tudo, principalmente filosofia, literatura, história e psicologia. Cansado dos fracassos na escola, ele decide partir para a carreira de música.

A sua primeira banda foi montada em 1962 (auge da bossa nova) com o nome Os Relâmpagos do Rock. Mais tarde, Raul (vocal e guitarra), Thildo Gama, Perinho (guitarra), Mariano Lanat (baixo), Carleba (bateria) passaria a se chamar The Panthers e, depois, Raulzito e os Panteras. A banda começa a ganhar expressão regional como uma extensão do movimento da Jovem Guarda na Bahia.

Em meados dos anos 60, o cantor Jerry Adriani convida os Panteras para abrir seus show em uma turnê brasileira. Em 1968, a banda grava um LP, considerado por muitos, um fracasso. Raul, então, volta a Salvador e começa a trabalhar como produtos da CBS onde trabalharia com artistas como Jerry Adriani, Renato e Seus Blue Caps, Trio Ternura, entre outros.

Rebelde, Raul Seixas perderia esse trabalho após gastar dinheiro da gravadora para produzir seu segundo LP: Sociedade da Grã Ordem Kavernista Apresenta Sessão das Dez . Em 1972, vem o reconhecimento nacional com a classificação de Let Me Sing, Let me Sing e Eu Sou Eu Nicuri é o Diabo no Festival Internacional da Canção, organizado pela Rede Globo. O primeiro single chegaria à final e renderia a Raul um compacto da canção e a participação no LP Rock Generation com os 24 Maiores Sucessos da Era do Rock.

Let me sing, let me sing:

Ao todo, Raulzito lançou 21 discos, em 26 anos de carreira. Raul Seixas criou um  estilo musical que o creditou  como”contestador e místico”, principalmente por conta da Sociedade Alternativa apresentada em Gita (1974), influenciado por figuras como Aleister Crowley.

Influências musicais

Como amante do rock nos anos 60, é impossível não relacionar o amor pelo gênero com as músicas de Elvis Presley. Raul se tornou fã incondicional do Rei do Rock e chegou até mesmo a montar um pequeno fã-clube do astro quando tinha 14 anos, o Elvis Rock Club. A sua mensagem muitas vezes está implícita em letras que podem ser taxadas como bobas como Carimbador Maluco e, em outros momentos, é pura poesia, como em Canção Para Minha Morte.

As temáticas de suas canções falavam sobre o agnosticismo, o esoterismo, os sentimentos humanos, duras críticas ao sistema, amor, fé, morte e vida. Mas acima de tudo sobre a liberdade de viver. Apesar de detestar assumidamente a bossa nova, Raul Seixas aproveitou diversos elementos da cultura brasileira para a composição dos arranjos musicais de seus álbuns. Em diversas músicas de Raulzito, nós ouvimos ritmos como o baião, o xaxado, músicas umbandistas e a música brega. Além disso, suas roupas lembravam muito mais um cantor de música romântica do que um roqueiro tradicional, não é mesmo?

A parceria com Paulo Coelho e a Sociedade Alternativa

Raul Seixas (à esq.) e Paulo Coelho (à dir.)

Muito se fala sobre a parceria entre Raul Seixas e Paulo Coelho. Essa história começa em 1972, quando os dois se conheceram por conta de um artigo escrito por Paulo Coelho para a revista “A Pomba”, sobre a existência de discos voadores. Na época, Coelho estava interessado em escritos do bruxo Aleister Crowley que falavam sobre o direito da liberdade.

Com base nesses preceitos, Paulo Coelho e Raul Seixas propuseram a Sociedade Alternativa, em 1974. Apesar de toda a utopia, não se tem muitas teorias sobre a proposta. É mais fácil você encontrar as ideologias nas músicas compostas pela dupla do que propriamente entender o que eles queriam com a Sociedade Alternativa.

Raul e Paulo eram ligados pelos interesses em estudos esotéricos e por acreditarem na liberdade política do anarquismo. Por conta dos ideais partilhados, antes de propor a Sociedade Alternativa, eles juntos criaram grandes sucessos do LP Krig-Ha Bandolo, como Mosca na Sopa, Metamorfose Ambulante, Al Capone e Ouro de Tolo. Os shows eram verdadeiros espetáculos teatrais e divagações místico-filosóficas e deram a Raul o título de BRUXO.

A verdade é que a utopia da Sociedade Alternativa era muito pessoal de Raul Seixas. Sonhar nunca custou nada e Raulzito não se importou em sonhar alto. Sonhou sonhos multicores com a Sociedade Alternativa, mesmo que o mundo ao seu redor lhe dissesse que essa utopia era inatingível.

“Faça o que tu queres, pois é tudo dentro da lei”

O exílio político

Tentar criar um movimento libertário em meio a uma ditadura militar talvez não tenha sido a melhor ideia de Raul Seixas. Obviamente, a Sociedade Alternativa ia contra a repressão do governo ditatorial e foi considerada subversiva. Raul sofreu torturas e, em companhia a Paulo Coelho, foi exilado para os Estados Unidos. Em terras norte-americanas, teve contato rápido com Elvis, John Lennon e Jerry Lewis que influenciaram muito a sua produção artística.

De volta ao Brasil, ainda com Paulo Coelho, Raul lança o seu melhor LP: Gita, que foi parte da novela O Rebu. Mais tarde viriam outros clássicos como Há 10 Mil Anos Atrás (último em parceria com Paulo Coelho), Raul Rock Seixas, O Dia Em Que a Terra Parou.


O problema com o álcool

Já na década de 80, Raul Seixas começou a apresentar problemas causados pelo consumo exacerbado de álcool.  Contraiu uma hepatite crônica e suas apresentações tiveram que ser reduzidas. Apesar disso, mantinha projetos importantes com a úsica Carimbador Maluco do LP Raul Seixas, parte do especial infantil Plunct Plact Zumm da Rede Globo. Seguiram-se os discos Metrô Linha 743, Uah Bap Lu Bap La Bein Bum (com o que seria seu último grande hit, Cowboy Fora da Lei).

Em 21 de agosto de 1989, ele sofre uma parada cardíaca. Apesar de sua morte, o sucesso de suas canções aumentou mais e mais e ele conquistou legiões de fãs em todo o país. Pessoas que acreditam na força das palavras e na inteligência de suas canções.

Seja você também uma Metamorfose Ambulante! 


Saiba mais

O sucesso de Raul Seixas ainda é tanto que a banda Pedra Letícia criou uma música contando o quanto os fãs pedem para que eles toquem as músicas do BRUXO. A canção é bem divertida!

Quem quiser saber mais sobre a vida de Raul Seixas, vale a pena assistir ao documentário lançado no final do ano passado sobre a vida do cantor:

Raul – O início, o meio e o fim

Saiba mais sobre os preceitos da Sociedade Alternativa:

Join the discussion 2 Comments

  • Raul Seixas, plantou um semente, mas ninguém a cultivou de verdade, pois nunca o entendeu, é só para a história e verás. que todos só falam foi um grande musico, um roqueiro. daí da para perceber, que ninguém viu que ele só falava de Deus o Criador do universo, e ninguém o conhecia melhor do que ele. e foi para isso que ele veio novamente, preparar o caminho para chegada do Grande Deus e Pai criador::::é só estudar a musica o Trem das Sete. nela ele diz tudo que estava para acontecer e o tempo acabou, pois :::lá vem Deus deslizando entre plumas de 1000 megatons. e ele chega em 2012 no planeta. e ninguém vai poder dizer que ele não avisou antes. o marco Zero de uma nova estação:::: 2012.0000 . acesse http://www.asociedadealternativa.com.br e siba um pouco mais, porque o resto vai ser uma grande surpresa, para muito. eu sou Nelson ferreira da costa. o ultimo aviso.

  • Aan disse:

    Como assim? Fizeram um post sobre o Raul e ne3o fiquei sbdneao?Cara, agora na minha cabee7a veio Milton Nascimento e a mfasica: Amigo e9 coisa para se guardar do lado esquerdo do peito .Obrigado por este presente, obrigado pela fore7a e pelo prestigio que e9 a presene7a de voceas nos nossos projetos.Fico devendo mais uma para a Banda U’s Gardenau.Muito mais sucesso.

Leave a Reply