Geografia Archives - Editora Moderna

Ensino Fundamental II – A Geografia em foco com a coleção Expedições Geográficas

By | Material Extra, Novidades | No Comments

Bom dia, amigos modernos.

Estudar Geografia é conhecer o mundo em todos os seus aspectos: político, social e territorial. No Ensino Fundamental II, o aluno passa a ganhar novos horizontes na disciplina e os conceitos geográficos se tornam ferramenta fundamental para o estudo da sociedade e do meio. A coleção Expedições Geográficas, elaborada por Melhem e Sergio Adas, convida alunos e professores a um verdadeiro passeio pelo planeta, criando um universo onde os conteúdos são abordados em um vocabulário específico de um viajante. As obras foram pensadas para desenvolver nos alunos o pensamento crítico, fazendo com que eles sejam estimulados a relacionar o espaço geográfico com seus respectivos ambientes sociais.

Um dos destaques da coleção é o trabalho com a interdisciplinaridade. Os capítulos, tratados nos livros como “Percursos”, são finalizados por seções que abordam a Geografia de modo interdisciplinar, relacionando aspectos geográficos com fatos históricos, científicos, ambientais e sociais. Os jovens também são chamados a desembarcar em outras linguagens, associando manifestações artísticas à temas da disciplina. O professor também conta com um planejamento estruturado para as aulas durante todo o ano letivo, com exercícios diversificados e aspectos gráficos atraentes.

Conheça a Vitrine Moderna

Para conhecer mais sobre as obras didáticas da Editora Moderna, acesse o portal Vitrine Moderna e fique por dentro das nossas novidades.

Projeto Araribá: uma solução completa para o Ensino Fundamental II

By | Novidades | No Comments

Bom dia, amigos modernos!

O Projeto Araribá é um dos materiais mais adotados da Editora Moderna e já foi aprovado por professores em todo Brasil. Desenvolvido pela equipe editorial da Moderna, a coleção é indicada aos alunos do Ensino Fundamental II. Os livros de todas as disciplinas são pensados como importantes ferramentas de trabalho para os educadores, pais e alunos e são organizados com clareza de ideias e linguagem simples.

A Editora Moderna preparou uma série de materiais multimídias que complementam as aulas dadas pelo professor e estimulam a autonomia de estudo dos alunos. Além do livro-texto, as coleções contam com um guia de estudo para estimular a autonomia dos alunos, CDs com aulas especiais, versão digital para tablet e um portal repleto de recursos multimídias, integrados aos conteúdos trabalhados em sala de aula.

Guia de estudo: autonomia para o aluno aprender.

 

Disciplinas Integradas com foco no aprendizado

Os livros do Projeto Araribá de Português trazem uma seleção de diferentes gêneros que permite a discussão de temas transversais. Nos materiais do Projeto Araribá de Matemática, o professor conta com exercícios que desenvolvem o raciocínio lógico e o programa de resolução de problemas estimula o estudo de diferentes estratégias. Já na coleção de Ciências, a construção do conhecimento científico expande a visão de mundo do aluno. O Projeto Araribá de História traz conteúdos em ordem cronológica e trabalha com a análise e comparação de fontes históricas, fundamentais para o desenvolvimento do senso crítico do aluno. Por fim, o Projeto Araribá de Geografia apresenta os conceitos geográficos de acordo com o cotidiano do aluno e traz para a sala de aula reflexões acerca de questões sociais.

Projeto Araribá: Elementos a favor da Aprendizagem

Todos os elementos que compõem as coleções do Projeto Araribá foram pensados estrategicamente para garantir o aprendizado dos alunos. Assim, foram criadas seções especiais, infográficos, quadros e outros elementos visuais que sistematizam o conhecimento e organizam o pensamento, tornando o ensino mais dinâmico.

Os conteúdos tratados nas obras conectam a sala de aula com o mundo e contextualizam os conhecimentos prévios. Dessa forma, os livros trabalham também na formação do aluno como cidadão, capaz de trabalhar em equipe e desenvolver habilidades e valores únicos como a argumentação, respeito, relacionamento e planejamento de ideias.

Outro material importante para o professor é o Guia do Programa de Leituras, que inclui livros de ficção, não-ficção e artes cujos conteúdos complementam e ampliam as propostas trabalhadas nos livros-textos do Projeto Araribá. As indicações ficam disponível na área de Professor Adotante do Portal Araribá.

Portal Arariba – www.moderna.com.br/arariba

 

Cartografia! Conheça as soluções da Editora Moderna para todos os segmentos

By | Dicas, Novidades | No Comments

Bom dia, amigos modernos

O estudo dos mapas é fundamental para amadurecer a noção do espaço geográfico e o entendimento de conceitos básicos da Geografia. Esses conceitos devem ser trabalhados durante toda a vida escolar já que ajudam a compreender o mundo e a sociedade em que os alunos estão inseridos. Os materiais de cartografia devem trazer à sala de aula ferramentas para a construção do conhecimento espacial.

A Editora Moderna preparou materiais com atlas e mapas para o uso na sala de aula para todas os segmentos da educação. As obras desenvolvem gradualmente habilidades para a compreensão do espaço e das dinâmicas do mundo, apresentam dados e informações atualizados, com riqueza de imagens, fotos e mapas, além de uma linguagem clara para favorecer o aprendizado.

 

Ensino Fundamental I – A caminho dos mapas

O conteúdo desenvolve as habilidades de leitura e interpretação de textos e mapas, despertando no aluno um raciocínio lógico e espírito crítico desde as séries iniciais.

 

Ensino Fundamental  I – Atlas Geográfico Ilustrado

Acompanha os primeiros rumo à alfabetização cartográfica e trabalha nas noções básicas de consciência espacial e sua representação.

 

Página demonstrativo do Atlas Geográfico Ilustrado, indicado para os alunos do Ensino Fundamental I

Ensino Fundamental II – Moderna Atlas Geográfico

O material apresenta o estudo cartográfico em cinco módulos: Fundamentos da comunicação cartográfica, Brasil Geral, Regiões do Brasil, Planisfério e Regiões do mundo.  O grande destaque da obra está na reprodução dos mapas em papel vegetal a partir da imagem de satélite e fotografia aérea. A atividade permite ao aluno o entendimento da produção dos mapas e da linguagem cartográfica.

Página demonstrativa do Moderno Atlas Geográfico, destinado aos alunos do Ensino Fundamental II

Ensino Médio – Atlas Geográfico – Espaço Mundial

Mapas atualizados, imagens de satélite, fotografias, gráficos, temas socialmente relevantes e uma série de recursos garantem ao aluno noções de organização de sociedade. A obra possui gráficos específicos para temas como PIB, exportações, investimentos estrangeiros, linha de pobreza, população e competitividade que são valiosos indicadores, bastante utilizados no vestibular.

Complemente suas aulas

Se você quiser ampliar o trabalho com mapas, a Editora Moderna também indica a coleção de paradidáticos Geografia em Mapas, elaborada para o Ensino Médio e que traz temas diversos complementares às aulas.

nafta_logo

O surgimento do Nafta como bloco econômico

By | Aulas/Explicações, Moderna Plus | No Comments

Boa tarde, amigos modernos.

A economia mundial passou por grandes transformações durante o século XX. Desde a crise de 1929, até o estabelecimento da Nova Ordem Mundial, após o final da Guerra, os governos precisaram adotar diversas medidas que fortificassem o mercado interno e favorecessem suas balanças comerciais. Uma das medidas adotadas em todo o mundo foi a formulação de blocos econômicos que reúnem países vizinhos com o objetivo de criar benefícios alfandegários e de comercialização de produtos. Hoje, vamos falar sobre a criação de um desses blocos econômicos, o Nafta (North America Free Trade Agreement), que reúne Estados Unidos, Canadá e México (América do Norte) e o Chile como membro associado.

A criação do Nafta

O Nafta começou a ser traçado no final dos anos 80, quando Estados Unidos e Canadá começaram a estudar políticas de comércio entre os países, envolvendo taxas alfandegárias menores, acordo conhecido como Liberalização Econômica. Em 13 de agosto de 1992, o México se interessou pelas políticas comerciais e foi convidado para fazer parte do grupo.

Como qualquer negociação comercial, as políticas precisavam ser bem definidas para que nenhum país acabasse sendo prejudicado pelo livre-comércio. Assim, apenas em 08 de dezembro de 1993, o então presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, concordaria com os termos e assinaria a participação norte-americana. Assim, o tratado do Nafta começou a ter validade para negociações realizada a partir de 1° de janeiro de 1994.

O principal objetivo do NAFTA era diminuir as barreiras comerciais impostas pelas leis internas dos países-membros que dificultavam a circulação entre mercadorias. Além disso, o bloco econômico deveria fazer frente à União Europeia que vinha alcançado grande êxito. Claro que hoje a situação é bem diferente pelos lados europeus, mas, sem dúvida, o sucesso das potências europeias chamou a atenção dos norte-americanos na época.

 

Os desacordos do Nafta

Apesar de o bloco econômico garantir facilidade aos países membros, no caso do Nafta, muitos problemas surgiram. A disparidade do México em relação às economias dos Estados Unidos e Canadá trouxeram dúvidas sobre a vantagem na participação do país. Até hoje, algumas parcelas da população e dos governos envolvidos questionam cláusulas do acordo.

Fazendeiros e sindicatos trabalhistas do México, por exemplo, são contra a NAFTA por conta da perda de influência tiveram nos centros urbanos do México. Com o acordo os fazendeiros mexicanos precisam tabelar os preços dos produtos agrícolas aos Estados Unidos, deixando-os mais baixo e, perdendo competitividade no mercado.  Assim, surgiu a ideia de que o NAFTA tornava o México uma espécie de colônia norte-americana.

O Canadá, por sua vez, sofreu com algumas revoltas populares relacionadas à recusa dos Estados Unidos em cumprir cláusulas do tratado sobre medidas antidumping e pela taxa de contervailing. Cogitou-se até do Canadá vetar a importação de algumas formas de energia para os Estados Unidos, mas ao final, pouca coisa foi feita realmente.

Os norte-americanos reclamavam que o NAFTA aumentava a taxa de desemprego entre os nativos por conta da migração de empresas para outros países, motivadas principalmente pela mão de obra barata. A votação no Senado e no Congresso americano foi em favor da NAFTA, mas ganhou  de forma “apertada”, o que mostra que não era, e ainda não é, uma unanimidade no país.

Vantagens do Nafta

Apesar dos desentendimentos entre os países do Nafta, o bloco econômico foi bastante importante para o desenvolvimento da região. Os três principais países envolvidos conseguiram atribuir características que auxiliaram seus vizinhos. O México, considerado uma economia emergente, garantiu ao grupo mercado consumidor para produtos e recursos canadenses e norte-americanos, além de ser detentor de jazidas de petróleo e fonte de mão de obra barata, destinada para serviços comuns nas grandes potências.

Já o Canadá contribuiu com seus planos econômicos bem desenvolvidos e com a qualidade de vida de seus cidadãos, reconhecidos pela simpatia. Juntamente com os Estados Unidos, os canadenses realizaram investimentos no território mexicanos para aumentar o número de empregos oferecidos. Assim, investiram a criação de indústrias no país emergente, principalmente no setor têxtil em que o México se destaca.

O fluxo de mercadorias dentro do Nafta teve um aumento superior a 150% na última década, fazendo com que o México elevasse o seu crescimento econômico. Houve também a pretensão dos Estados Unidos em unir todas as Américas em um único bloco, a ALCA (Área de Livre Comércio das Américas), mas as políticas propostas pelos norte-americanos favoreciam os interesses dos Estados Unidos e pouco ajudavam os países subdesenvolvidos da região.

Saiba mais

Quem for adotante da coleção Moderna Plus de Geografia pode contar com um mapa interativo que explica a formação dos megablocos e a importância desse tipo de medida para a formação da economia mundial. Vale a pena conferir:

Lançamentos - Atlas Geográfico Ilustrado

Lançamentos: Atlas Geográfico Ilustrado para os primeiros passos na Geografia

By | Dicas | No Comments

Boa tarde, amigos modernos.

O site LANÇAMENTOS MODERNA já está no ar com todas as novidades da Editora Moderna para as escolas privadas. A editora traz ao mercado opções e novidades para todos os segmentos da educação, desde a Educação Infantil até o Ensino Médio, com inovações tecnológicas, ferramentas exclusivas aos professores e conteúdos multimídia que ajudam a desenvolver habilidades e estimulam o aprendizado dos estudantes.

O conhecimento de tempo e espaço é muito importante para os pequenos do Ensino Fundamental I. Noções de lugar são fundamentais para o entendimento das situações e para o pensamento crítico da realidade. Sabendo disso, a Editora Moderna traz o Atlas Geográfico Ilustrado que introduz a criança na Geografia e a coloca em contato com a gramática cartográfica, ensinada por meio da leitura de legendas, símbolos, coordenadas e escalas.

ATLAS GEOGRÁFICO ILUSTRADO

Conheça as soluções didáticas presentes no Atlas Geográfico Ilustrado e confira como o material pode auxiliar as crianças no dia a dia escolar:

[issuu width=480 height=350 embedBackground=%23000000 backgroundColor=%23222222 documentId=120829131827-bbfbdad8abe34bd192c12abccdb4072f name=atlas_geografico username=ed_moderna tag=educacao unit=px v=2]

 

lançamentos - Buriti

Ensino Fundamental I: a proposta pedagógica do Projeto Buriti

By | Geral, Novidades | No Comments

Bom dia, amigos modernos.

O site LANÇAMENTOS MODERNA já está no ar com todas as novidades da Editora Moderna para as escolas privadas. A editora traz ao mercado opções e novidades para todos os segmentos da educação, desde a Educação Infantil até o Ensino Médio, com inovações tecnológicas, ferramentas exclusivas aos professores e conteúdos multimídia que ajudam a desenvolver habilidades e estimulam o aprendizado dos estudantes.

Para o Ensino Fundamental I, preparamos grandes novidades que vamos apresentar aqui no blog pouco a pouco. Hoje, vamos conhecer melhor o Projeto Buriti, obra consagrada no mercado e que possui adoções em todo o Brasil. Criada pela equipe editorial da Moderna, o Projeto Buriti dá continuidade à linha pedagógica do Projeto Buriti Mirim e prepara os alunos para a formação de novos conhecimentos e habilidades.

PROJETO BURITI

Projeto Buriti tem o compromisso com a qualidade da educação no Ensino Fundamental I e se constitui como uma ferramenta de trabalho prática, completa e inteligente. Para as crianças de 6 anos, o livro traz disciplinas integradas e possui apresentação diferenciada, garantindo uma visão mais conectado do mundo e da escola.

A partir do 2º ano, as disciplinas são separadas e os livros ganham complexidade e trabalham com recursos

Os professores contam com um portal repleto de recursos multimídias integrados ao livro-texto que ajudam no desenvolvimento de habilidades motoras e cognitivas. Além disso, a Moderna preparou bancos de questões que ajudam o trabalho do professor na criação de provas e atividades para serem aplicadas aos alunos.  

Soluções Didáticas

Durante o ano passado, você pode conhecer toda a teoria dos eixos pedagógicos que norteiam nossas obras. Agora, chegou a vez de você conhecer como os nossos autores colocam as teorias em prática em cada coleção. É hora de descobrir toda a ciência utilizada na elaboração e cada um das características que fazem as coleções da Moderna serem reconhecidas em todo o país:

[issuu width=420 height=286 embedBackground=%23000000 backgroundColor=%23222222 documentId=120829141724-ddb0adc0a68e4c28a20c3db73487b560 name=projeto_buriti username=ed_moderna tag=buriti unit=px v=2]

planeta_terra_3d-1440x900

Milton Santos e o papel do geógrafo no Brasil

By | Dicas | No Comments

Boa tarde, amigos.

Ontem, relembramos os 11 anos de morte de Milton Santos, um dos maiores nomes da Geografia no Brasil. Para recordar as obras e a influência de das teorias do baiano de Brotas de Macaúbas, a nossa assessora especialista Maria Maccagnini escreveu um texto ressaltando as conquistas e o trabalho de Milton Santos.

Quem foi Milton Santos?

Nascido em 03 de maio de 1926, em Brotas de Macaúbas, no interior da Bahia, Milton Santos era de uma família de classe média, e tanto o pai como a mãe eram professores primários. Durante a Faculdade de Direito, cursada na Universidade Federal da Bahia, teve forte participação no movimento estudantil, chegando a ser vice-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE). Formou-se em 1948, e, mais tarde, em 1958, fez Doutorado em Geografia na Universidade de Estraburgo, na França. Sua tese foi “O Centro da Cidade de Salvador”

Em 1960, publicou o estudo “Mariana em Preto e Branco“. De volta ao Brasil, voltou a atuar como professor da Católica de Filosofia, onde criou um ambiente intelectual dinâmico, que atraiu dezenas de estudiosos estrangeiros para darem conferências e cursos. Ao todo, foi autor de aproximadamente 40 livros e 300 artigos, além de ter conquistado o status de ícone do movimento de renovação crítica da geografia.

Trabalhou no jornal “A Tarde”, no CPE (precursor da Sudene) e lecionou na UFBA até 1964, quando deixou o Brasil em razão do golpe militar. Ensinou em muitas universidades na Europa, África, América do Sul e do Norte, foi consultor da ONU e da OIT (Organização Internacional do Trabalho). Posteriormente, foi professor titular da Universidade de São Paulo (USP) e membro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Urbano.

Os ideais de Milton Santos

O conjunto de suas obras caracteriza-se por uma preocupação de explicar e interpretar o espaço geográfico nos diferentes momentos do mundo globalizado. Convida-nos à análise críticas, mas também propositivas. Seu estudo do meio técnico-científico informacional permite entender a organização do espaço no período histórico atual, questões pertinentes para o desenvolvimento, não apenas restrito à Geografia, mas com preocupação interdisciplinar.

“…o compromisso da obra dele é o de entender o mundo do presente, tomando como ponto de partida o direito de existir com dignidade” (Maria Adélia de Souza).

A preocupação com a instância social é um marco muito importante nos princípios teóricos de Milton Santos, entre suas obras podemos destacar “A natureza do espaço’’, “Técnica, espaço, tempo:globalização e meio técnico-científico-informacional’’, “Por uma outra globalização:do pensamento único à consciência universal” e outras tantas essenciais aos estudos nas áreas correlacionadas.

O documentário “O mundo global visto do lado de cá”, produzido em 2007, no Brasil, fala da manipulação da mídia controlada pelas grandes corporações, mostrando ferramentas necessárias para um mundo mais justo e também a possibilidade de uma intervenção em espaços públicos de efervescência de arte e cultura, uma grande obra nos interessados no grande intelectual e geógrafo, com uma entrevista ao decorrer do longa, mostrando as principais idéias de Milton Santos.

Escrito por Maria Maccagnini, assessora especialista de Geografia da Editora Moderna. 

Saiba mais

Quem quiser conhecer mais sobre a vida e as obras de Milton Santos, pode acessar o site dedicado ao seu trabalho e na divulgação de suas pesquisas. Lá, é possível encontrar uma série de materiais multimídias como áudios, vídeos e textos com a participação de Milton Santos.

Palestra Melhem Adas - Colégio Vita PAx (5)

Colégio Vita et Pax recebe a visita de Melhem Adas

By | Dicas, Eventos | One Comment

Bom dia, amigos modernos.

O  Colégio Vita et Pax, de Ribeirão Preto, em São Paulo, recebeu a visita de Melhem Adas, autor de livros didáticos e paradidáticos da Editora Moderna, no último dia 08 de março. Na ocasião, Melhem Adas contou aos alunos um pouco mais sobre a sua obra “A fome. Crise ou Escândalo?” e contou com a excelente participação do corpo discente, que se mostrou bastante maduro para o debate sobre a gravidade da situação.

A nossa assessora pedagógica da região, Ana Paula Donaires, recebeu uma bela carta da coordenação do colégio. Nós gostaríamos de agradecer todo o carinho com que o nosso autor foi tratado e todo o apoio dado pela escola para essa visita maravilhosa. Vocês nos ajudam a cumprir a promessa pela construção de uma educação de valor.

Obrigada à direção, coordenação, corpo docente e discente do colégio pela linda participação.

Confira a carta da escola na íntegra:

Melhem Adas!  Uma manhã… Uma vivência, uma grande troca de experiência…

Dentro de uma visão contemporânea, buscando sempre proporcionar  aos nossos educandos oportunidades que os façam refletir e pontuar situações ímpares no contexto globalizado, recebemos o Mestre Melhem Adas, no último dia 8 de março. Na ocasião, o autor dividiu conosco a visão contextualizada de sua obra, “A fome. Crise ou Escândalo?”. Literatura esta que foi adotada, trabalhada e com muita reflexão e respeito, produziu-se uma releitura da mesma com olhares de “pequenos autores”,  que já não se permitem calar diante de tanta indignidade e desrespeito pelo ser humano.

Através de uma didática dinâmica, os alunos criaram uma obra que retratou a fome por meio da cartografia, de gráficos, poemas, músicas, intertextualidades e notícias, permitindo-se relatar através de seus olhares, uma realidade, que, com certeza, já os incomoda.

É este o nosso objetivo, por meio também da literatura formar pessoas sensíveis, centradas e, acima de tudo, que tenham respeito pela nossa “casa”, que tenham um olhar diferente pelo nosso “irmão”, e que mudem a página dessa nossa história!

Simone Zombrilli, coordenadora do Colégio Vita et Pax

Veja algumas imagens do evento:

 

Saiba mais

Quem tiver interesse em conhecer o livro paradidático de Melhem Adas citado pela escola, segue abaixo:

A fome – Crise ou escândalo?

Coleção Polêmica

Autor: Melhem Adas

Trabalho interdisciplinar: Geografia, História, Português, Sociologia

Indicação: 1º Ano (EM), 2º Ano (EM), 3º Ano (EM)

Tema transversal: Pluralidade Cultural, Ética

Número de páginas: 232

Sobre o livro:

A FOME Crise ou escândalo? Esta obra levanta e discute essa escandalosa e vergonhosa realidade. Refuta as conservadoras teses de que a fome resulta do crescimento populacional “acelerado” dos países subdesenvolvidos e das condições naturais adversas, de que a produção mundial de alimentos é insuficiente para atender a todos, e de que a liberalização do comércio, a revolução verde e os organismos geneticamente modificados constituem a grande esperança para erradicar a fome, além de outras questões. O livro demonstra que a fome é uma criação humana diretamente relacionada com o tipo de civilização que construímos, que é fundamentalmente um grande e sério problema político, econômico e social, e que sua existência ainda nos dias atuais é a prova contundente do fracasso de nossa civilização.