Tag

editora moderna Archives - Página 34 de 47 - Editora Moderna

Dia Mundial do Meio Ambiente

05 de junho: Dia Mundial do Meio Ambiente

By | Dicas, Eventos | No Comments

Boa tarde, amigos modernos!

No dia 05 de junho, comemoramos mundialmente o Dia do Meio Ambiente. A data foi criada em 1972, em celebração à Conferência das Nações Unidas, encontro promovido pela Organização das Nações Unidas (ONU) a fim de apontar soluções para as questões ambientais em todo o mundo.

O dia de hoje volta os nossos olhos à atual situação do Planeta Terra. Criar cidadãos conscientes é fundamental para mudar o futuro. Ter a dimensão da importância do meio ambiente e criar ações que mantenham o planeta saudável são os primeiros passos para garantir qualidade de vida às futuras gerações.

Cuidar da natureza é uma causa coletiva! Faça a sua parte! =)

Conferência Rio +20

Este ano, a cidade do Rio de Janeiro será a sede da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável. Conhecida como Rio +20, a reunião acontece entre os dias 13 e 22 de junho e reúne representantes de vários lugares do planeta para discutir práticas sustentáveis e tendências ambientais para o próximo ano. A Rio+20 também celebra os 20 ano da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio-92).

O objetivo da Conferência é a renovação do compromisso político com o desenvolvimento sustentável, por meio da avaliação do progresso e das lacunas na implementação das decisões adotadas pelas principais cúpulas sobre o assunto e do tratamento de temas novos e emergentes.

Os principais temas a serem trabalhados e discutidos durante a Rio+0 são: A estrutura institucional para o desenvolvimento sustentável A economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza.

A Rio+20 será composta por três momentos. Nos primeiros dias, de 13 a 15 de junho, está prevista a III Reunião do Comitê Preparatório, no qual se reunirão representantes governamentais para negociações dos documentos a serem adotados na Conferência. Em seguida, entre 16  e 19 de junho, serão programados eventos com a sociedade civil. De 20 a 22 de junho, ocorrerá o Segmento de Alto Nível da Conferência, para o qual é esperada a presença de diversos Chefes de Estado e de Governo dos países-membros das Nações Unidas.

Mais informações no site: www.rio20.gov.br/

SAIBA MAIS

Trabalhar projetos ambientais na sala de aula é muito importante para desenvolver a cidadania dos nossos jovens. Incentivá-los a resolver problemas seguindo critérios de sustentabilidade (ecológico – econômico – ético). A Revista Educatrix traz uma matéria importante sobre iniciativas que tiram a Educação Ambiental do papel e ultrapassam os muros da escola. Confira:

[issuu width=600 height=400 pageNumber=64 backgroundColor=%23222222 documentId=120426123536-a781ad142b17418282f16daaa02c5f04 name=educatrix2_digital username=ed_moderna tag=educatrix unit=px v=2]
congresso_icloc_publicas_dest

ICLOC – Atuação docente e novas tecnologias

By | Dicas | One Comment

Boa tarde, amigos modernos!

Vamos falar mais um pouco sobre assuntos que ouvimos no IV Congresso ICLOC de Práticas de Sala de Aula.

Um dos temas mais debatidos durante as palestras foi a importância da tecnologia dentro da sala de aula. Como os professores devem inserir modelos interativos para os alunos? Como tablets, lousas digitais e conteúdos multimídia podem dinamizar as aulas? Como a tecnologia pode trazer resultados pedagógicos aos estudantes?

Conte-nos também as suas experiências com a tecnologia.

Revista Educatrix

Na primeira edição da Revista Educatrix, a matéria “Resposta Interativa” fala sobre como os avanços tecnológicos levam para dentro da escola  novos elementos que podem contribuir decisivamente com o processo de ensino e aprendizagem. Além disso, o maior desafio das escolas hoje não está no investimento em novos recursos, mas na capacitação de professores e alunos para tirar o máximo proveito da inovação.

[issuu width=550 height=369 pageNumber=70 backgroundColor=%23222222 documentId=110830180303-5f2a1afe75f34007970632f8ba235f62 name=educatrix_ed_01 username=ed_moderna tag=educacao unit=px id=5f2782f2-0aef-35e5-f118-813e6a6ed006 v=2]

 

Saiba mais

A Editora Moderna oferece uma série de materiais interativos para  trabalhar dentro da sala de aula. A Coleção Moderna Plus, por exemplo, possibilita o uso do tablet para leitura dos conteúdos e interatividade com textos complementares e vídeos didáticos.

Na área de Literatura, a Moderna Literatura também possui e-book complementares para as aulas, proporcionando aos estudantes novas experiências. Todos os segmentos da educação possuem exemplares recheados de ilustrações animadas e sonorização que enriquecem a leitura e a interatividade. Conheça mais:

Matemática - imagem destacada

Matemática: as novas formas de promover o pensamento

By | Dicas | One Comment

Boa tarde, amigos.

Criar o gosto pela Matemática é, sem dúvida, um dos maiores desafios dos professores de qualquer segmento da educação. A tecnologia tem sido favorável à disciplina e muitas escolas já encontram saídas interessantes para unir o pensamentos matemática com formas lúdicas e divertidas de aprendizado.

No último Congresso do ICLOC, nós acompanhamos algumas palestras interessantes de professores de Matemática que têm pensado em maneiras envolventes de trabalhar teorias na sala de aula. A equipe do Colégio Dante Alighieri, em São Paulo, falou sobre o uso da lousa digital como ferramenta estratégica para o envolvimentos dos pequenos alunos da Educação Infantil e do Fundamental I. Já a Escola Lourenço Castanho falou um pouco mais sobre o Projeto Castelos, que utiliza paralelos entre a vida real e a fantasia para ajudar no aprendizado das crianças.

O lúdico pensamento matemático

O projeto do Dante Alighieri, apresentado pelas professoras Aline Barbam, Tais de Sousa e Paula Favoretto, tem como principal objetivo articular habilidades matemáticas nos alunos das primeiras séries da educação regulamentar através do uso da lousa digital. A equipe criou jogos que reúnem os conteúdos propostos nos PCNs (Números e Operações, Espaço e Forma, Grandezas e Medidas e Tratamento da Informação) com ações cotidianas dos alunos, como ir ao mercado por exemplo.

As brincadeiras estimulam o desenvolvimento da Aprendizagem Significativa e ajudam no crescimento social, pedagógico e disciplinas das crianças.  Além disso, o projeto traz a possibilidade de confrontar conhecimentos com os colegas durante o jogo, permite uma retroalimentação imediata, que independe do julgamento posterior do adulto, como ocorre quando uma atividade no papel é corrigida depois de pronta.

A Matemática e os contos de fada

O projeto “Castelos”, da Escola Lourenço Castanho, foi apresentado pelas professoras da Educação Infantil Juliana Gomes Groppo e Kamila Campos de Sá. O objetivo do trabalho é  fazer com que as crianças entrem em contato com diferentes contextos históricos e sociais. Assim, os alunos são convidados a estabelecer relações entre o que conhecem e vivenciam no presente, com um mundo do qual ouviram falar, por meio da leitura dos Contos de Fadas, ou assistiram em filmes ou em desenhos animados. Dentro desse contexto, foram propostas situações desafiadoras, com objetivo de contemplar os conteúdos das diferentes áreas do conhecimento.

No IV Congresso ICLOC, as professoras apresentaram as ideias presentes na área da Matemática e compartilharam algumas experiências interessante. “As crianças não precisam de qualquer ensino direto para fazer progresso no campo lógico matemático, elas podem ser incentivadas através de outras atividades a entenderem como funciona o pensamento matemática. Confrontar-se com uma ideia conflitante, geralmente traz como resultado raciocínios mais elevados”. (Kamii pg 55 – Reinventando a aritmética).

 

 

 

Saiba mais

 

REVISTA EDUCATRIX

A segunda edição da revista Educatrix traz uma reportagem com dicas sobre como os professores podem despertar o interesse dos alunos pela matemática ainda nas primeiras séries. A exigência da chamada “Alfabetização Matemática” pelo PNLD trouxe à tona a necessidade de tornar mais claro o pensamento matemático com as crianças.

[issuu width=600 height=400 pageNumber=18 backgroundColor=%23222222 documentId=120426123536-a781ad142b17418282f16daaa02c5f04 name=educatrix2_digital username=ed_moderna tag=educatrix unit=px v=2]

Moderna Digital

Dia do Estatístico

29 de maio: DIA DO ESTATÍSTICO

By | Dicas | No Comments

A palavra “Estatística” vem do alemão “Statistik”, criada pelo cientista Schmeitzel, a partir do latim statisticum, que significa analisar, verificar. Atualmente, a estatística é um conjunto de técnicas e métodos de pesquisa que nos permite planejar, processar e analisar informações.

O uso da Estatística remota aos 3000 a.C., quando os babilônios já faziam uma espécie de Censo. O imperador César Augusto pedia o Censo do Império Romano para cobrar mais impostos à população e auxiliar no alistamento militar. Em terra brasileiras, o primeiro contato registrado com bancos de dados estatísticos remota ao período imperial. Nessa época  existia apenas um órgão regulamentador de estatística, a Diretoria Geral de Estatística, criada em 1871. Com a instauração da República, o governo precisou levantar mais informações sobre a população brasileira, assim, surgiram os registros civis de nascimento, casamento e óbitos.

Em 1934, com a ascensão de Getúlio Vargas ao governo, o Departamento Nacional de Estatística deu lugar ao Instituto Nacional de Estatística (INE), que iniciou suas atividades apenas no dia 29 de Maio de 1936. Essa data determina a comemoração do Dia do Estatístico. Em 1937, o Conselho Brasileiro de Geografia incorporou o INE e passou a entidade passou a se chamar Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Conheça mais sobre o IBGE, clicando aqui.

 

Estatística: profissão do futuro

Cada vez mais as empresas percebem a importância da área de Inteligência de Mercado (ou Business Intelligence) para manter sua competitividade. Dessa forma, a demanda por profissionais formados em Estatística tem crescido progressivamente. Os profissionais da área trabalham com importantes ferramentas de análise que permitem avaliações objetivas, claras e fundamentadas a respeito de seus produtos, serviços e do comportamento de seu público-alvo.

MERCADO DE TRABALHO

Com o rápido avanço das tecnologias, as empresas precisam buscar soluções e alternativas rápidas para alavancar suas vendas e suas relações com os públicos de interesse. Coleta de informações, análises  de micro e macroambiente, definição de perfis etc são necessidades de qualquer empresa que quer se manter competitiva. Assim, a diversidade de atuação dentro do mercado de trabalho é um dos atrativos para quem trabalha com estatística. Veja alguns exemplos de atuação:

 

 O que é preciso ter para se tornar um estatístico?

A formação universitária para estatístico passa por disciplinas como Matemática,  Cálculo, Teoria das Probabilidades, Técnicas e Métodos Estatísticos, Computação, Métodos de Análises Estatísticas e Disciplinas Profissionalizantes. Ao sair da faculdade, o estatístico é capaz de efetuar levantamentos de informações; realizar planejamento, experimentos e pesquisas em várias áreas do conhecimento, formular soluções para muitas perguntas corriqueiras, entre outros.

Onde estudar?

De acordo com a classificação do Guia do Estudante, as melhores faculdades de Estatística do Brasil são:

  1. Universidade de São Paulo – http://guiadoestudante.abril.com.br/universidades/estatistica/usp-universidade-de-sao-paulo-sao-paulo-sp-bacharelado.shtml
  2. Universidade Federal de Minas Gerais – http://guiadoestudante.abril.com.br/universidades/estatistica/ufmg-universidade-federal-de-minas-gerais-belo-horizonte-mg-bacharelado.shtml
  3. Universidade Federal do Rio de Janeiro – http://guiadoestudante.abril.com.br/universidades/estatistica/ufrj-universidade-federal-do-rio-de-janeiro-rio-de-janeiro-rj-bacharelado.shtml
  4. Universidade Federal de São Carlos – http://guiadoestudante.abril.com.br/universidades/estatistica/ufscar-universidade-federal-de-sao-carlos-sao-carlos-sp-bacharelado.shtml

 

Com a colaboração de Danielle do Prado, assessora de Matemática da Editora Moderna. 

Referências:

www.ccet.ufrn.br

http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/maio/dia-do-estatistico.php#ixzz1wBqij0x2

http://www.ibge.gov.br/home/

 

SAIBA MAIS

Que tal um pouco de diversão?


Alfredo Volpi - Imagem destacada

Alfredo Volpi: Nascido na Itália, formado no Brasil

By | Dicas, Geral | 10 Comments

Boa tarde, amigos!

A pintura acompanha a evolução da humanidade. Desde os primeiros desenhos feitos por nossos antepassados nas paredes de cavernas até as técnicas modernas de afresco e, porque não, de ilustrações digitais, a humanidade e suas diversas feições têm sido retratadas através das imagens. Hoje, vamos falar sobre Alfredo Volpi, um dos maiores artistas que passaram pelo Brasil e que registrou grande parte de nossa cultura e tradição em suas obras.

Nascido na Itália, formado no Brasil

Alfredo Volpi nasceu em Lucca, na Itália, em 14 de abril de 1896. Seus pais vieram no ano seguinte para o Brasil em busca de novas oportunidades na nova república formada. Frequentou a Escola Profissional Masculina do Brás, e, ainda pequeno, começou a demonstrar interesse em tintas e mistura de cores.

Volpi pintou sua primeira aquarela aos 16 anos. A primeira obra de arte como pintor foi feita aos 18 anos sobre a tampa de uma caixa de charutos, usando tinta a óleo. Seu talento fez com que ele conseguisse um emprego de pintor de frisos, florões e painéis nas paredes das mansões paulistanas. Autodidata, Volpi realizou belíssimos trabalhos como decorador de interiores.

Na década de 1930, já com certo prestígio, tornou-se membro do Grupo Santa Helena, nos anos 1940. Nesse grupo passou a ter contato com outros pintores importantes, como Ernesto de Fiori, que influenciaria toda a sua obra criativa. O grupo, formado por artistas paulistas, se reunia no palacete Santa Helena, durante as décadas de 30 e 40. Os integrantes dedicavam seu talento a retratar cenas cotidianas e a paisagem de São Paulo. Alguns pintores do grupo foram Bonadei, Mário Zanini, Francisco Rebolo Rebolo, Clóvis Graciano e Pennacchi.

 

As fases de Alfredo Volpi

Alfredo Volpi faleceu em 28 de maio de 1988, vivendo 92 anos. Em quase um século de existência, a obra de Volpi acompanhou as mudanças políticas e culturais da sociedade brasileira. Por isso, é possível verificar diversas influências nas pinturas dele. Mas, sem dúvida, a obra impressionista de Cézanne, Giotto e Ucello, foram as que mais influenciaram seu caminho. Com essa base, Volpi conseguiu evoluir as representações da natureza e criou sua própria linguagem.

 

A fama veio junto com o Prêmio de Melhor Pintor Brasileiro, na 2ª Bienal de São Paulo. Daí em diante suas obras seriam dominadas pelas cores e pelo estilo abstrato geométrico. Exemplo marcante disso são suas bandeirinhas multicoloridas, que se tornaram sua marca registrada. As formas geométricas e as trocas cromáticas começaram nos anos 1970: Volpi preparava várias pinturas parecidas, alterando cores, no que os críticos definem como uma combinação inventiva.

É a fase das bandeirinhas, sua maior contribuição para a arte brasileira moderna, expressa em seu trabalho Bandeiras e Mastros. Só pintava com a luz do sol e se envolvia totalmente com a criação de sua obra, o que incluía esticar o linho para as telas. Depois de dominar a técnica da têmpera com clara de ovo, o artista nunca mais usou tintas industriais – “elas criam mofo e perdem vida com o passar do tempo”, dizia.

Bandeirinhas Estrudadas - Alfredo Volpi

Num processo típico de um pintor do Renascimento, fazia suas próprias tintas, diluídas em uma emulsão de verniz e clara de ovo, em que ele adicionava pigmentos naturais purificados (terra, ferro, óxidos, argila colorida por óxido de ferro) e ressecados ao sol.

Saiba mais

A Editora Moderna possui um material para ser trabalhado com as crianças em sala de aula. Parte integrante da coleção Grande Mestre das Artes no Brasil, o livro “Alfredo Volpi” traz a história e as principais obras desse grande pintor.

Alfredo Volpi

Coleção Mestres das Artes no Brasil

Autor: Nereide Schilaro Santa Rosa

Faixa etária: A partir de 11 anos

Área: Não Ficção

Número de páginas: 32

 

MMDC - 2

23 de Maio: Ontem e Hoje

By | Dicas, Moderna Plus | No Comments

Algumas datas comemorativas parecem estar muito distantes do universo cotidiano dos brasileiros. Muitas vezes se tornam apenas emblemas destacados do calendário ou feriados sem sentido. Por exemplo, você sabia que no dia 23 de maio é comemorado o dia do Soldado Constitucionalista? E que essa data foi importantíssima para o dia 09 de julho, feriado paulista da Revolução de 1932? Mas, qual é exatamente a ligação entre essas efemérides?

Antes de refletir sobre essas e outras perguntas que surgirão com esse debate, devemos pensar sobre o momento histórico que potencializou alguns fenômenos que, mais tarde, seriam rememorados.

A cidade de São Paulo de 1930 é o cenário chave para entender a data que recordamos hoje. A Revolução de 1930, marco do final da República Velha, teve seu apogeu com Getúlio Vargas impossibilitando a posse de Júlio Prestes, que ocuparia um cargo equivalente ao que conhecemos hoje como governador. Dessa forma, o Governo provisório foi instaurado e nenhuma Constituição foi promulgada por Vargas, incitando em alguns estudantes paulistas, sentimentos de revolta e de indignação.

A articulação estudantil revelou-se como um perigo iminente ao Governo provisório, pois foi disseminada em todo o território paulista. No dia 23 de maio de 1932, exatos 80 anos, um grupo de estudantes planejou invadir um pólo do governo, chamado de Liga Revolucionária. Contudo seus opositores resistiram por meio de armas de fogo. O resultado desse confronto foi a morte imediata de três estudantes – Mário Martins de Almeida, Euclides Miragaia e Dráusio Marcondes de Sousa – precedida de outra, resultante de graves ferimentos em Antônio Camargo de Andrade. Um quinto companheiro, Orlando de Oliveira Alvarenga, que tradicionalmente não consta na sigla M.M.D.C., também veio a falecer depois de alguns meses, por isso, muitos historiadores fazem a inclusão de sua inicial – M.M.D.C.A.

O falecimento dos cinco integrantes do movimento foi o estopim de uma grande mobilização cívica denominada como Revolução Constitucionalista de 1932, e que daria início ao processo de redemocratização no Brasil, em que os paulistas saíram às ruas em 09 de julho daquele mesmo ano e lutaram contra as tropas de Getúlio Vargas pelo poder. Saiba mais sobre o processo revolucionário de 1932, clicando aqui.


Mas, podemos nos perguntar sobre a influência desse evento histórico nos dias atuais. Existem registros em nossos ambientes urbanos desse momento marcante em nossa história? Ao passarmos no bairro do Butantã, encontramos um conjunto de ruas que receberam os nomes dos cinco estudantes mortos durante o conflito. Outras duas vias arteriais da cidade, respectivamente 23 de maio e 9 de julho, não permitem que esse momento histórico seja apagado da memória de qualquer brasileiro. Outras cidades, como Campinas, também homenageiam os “heróis paulistas” dando seus nomes aos traçados urbanos. Dessa forma, devemos compreender as datas comemorativas como eventos que marcaram profundamente os rumos de nossa história e que, de alguma forma, estão presentes em nosso dia a dia.
Escrito por Melanie Lauro, assessora especialista de HIstória da Editora Moderna.

 

SAIBA MAIS

Os adotantes da coleção Moderna Plus contam com um depoimento especial do historiador Boris Fausto sobre a Revolução Constitucionalista de 1932, em São Paulo. O material é um recurso didático interessante para auxiliar os alunos na contextualização histórica deste movimento que mudou o cenário político da capital paulista.

 

Obelisco do Ibirapuera

O Obelisco é o maior monumento da cidade e tem 72 metros de altura. Projetado pelo escultor ítalo-brasileiro Galileo Ugo Emendabili, o monumento é considerado um dos símbolos da revolução e foi tombado pelos conselhos estadual e municipal de preservação de patrimônio histórico. Nele, estão os corpos dos estudantes Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo (M.M.D.C) e de outros 713 ex-combatentes que morreram durante a Revolução de 1932. Por dentro, o Obelisco é decorado com cenas bíblicas e trechos da história paulista feitos com pastilhas de mosaico veneziano.

O Obelisco fica localizado no Parque do Ibirapuera, na Avenida Pedro Álvares Cabral, em Moema.

Jorge Amado - Exposição - imagem destacada

Os 100 anos de Jorge Amado no Museu da Língua Portuguesa

By | Dicas, Eventos | No Comments

Boa tarde, amigos modernos.

Hoje, vamos dar uma dica cultural bem bacana para quem gosta de Literatura.

Até o dia 22 de julho, o Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, abriga a exposição “Jorge Amado Universal”, que celebra o centenário do escritor, nascido em 10 de agosto de 1912 e falecido em 06 de agosto de 2001.

A mostra conta com fotografias, manuscritos, jornais, ilustrações, filmes, documentos, charges, correspondências e objetos de uso pessoal do escritor. Todo o conteúdo foi organizado pela Fundação Casa de Jorge Amado e por Ana Helena Curti, coordenadora-geral do evento. O projeto cenográfico é assinado pela dupla Daniela Thomas e Felipe Tassara.

A exposição está dividida por módulos que abrigam características e curiosidades acerca dos personagens amadianos. A organização evitou utilizar imagens das adaptações das obras de Jorge Amados para teatro, cinema ou TV, como tentativa de valorizar o imaginário dos visitantes.

Os visitantes encontram diversas surpresas na exposição e contam com curiosidades sobre a vida pessoal de Jorge Amado, seu gosto pela política e o processo de criação de seus personagens.

Boas notícias

A exposição que homenageia o autor de grandes clássicos da nossa literatura como Gabriela, Quincas Berro d’Água, Dona Flor e Seus Dois Maridos, também marcará presença em outros estados do Brasil. Os personagens mais queridos de Jorge Amado poderão ser prestigiados em mais oito capitais e cidades do exterior, como Buenos Aires. Logo depois de São Paulo, a exposição desembarca no Museu de Arte Moderna da Bahia.

Serviço

Exposição JORGE AMADO E UNIVERSAL

ONDE: Museu da Língua Portuguesa

ENDEREÇO: Praça da Luz, s/nº – próximo a estação Luz do metrô

QUANDO: Até 22 de julho – de ter. a dom., das 10h às 18h

CLASSIFICAÇÃO livre

 

 

SAIBA MAIS

O livro “Romântico, sedutor e anarquista – Como e por que ler Jorge Amado hoje”, de Ana Maria Machado, publicado pela Editora Objetiva, apresenta uma importante reflexão sobre a vida e a obra de Jorge Amado e a importância histórica do material. Para quem tem interesse em conhecer a fundo as perspectivas literárias e políticas desse grande autor, sem dúvida, deve ter esse livro na estante.

Com um texto ao mesmo tempo erudito e acessível, Ana Maria Machado promove neste ensaio um encontro fértil do leitor com a obra de Amado, longe dos caminhos batidos da crítica apressada. “Parti de uma conjetura concreta, baseada na lembrança de todas as minhas leituras anteriores do romancista baiano e do papel quase legendário de que sua presença é popularmente investida em nossas letras. Essa premissa foi a hipótese de que a obra de Jorge Amado ajuda a lançar luz sobre alguns aspectos da identidade nacional que nem sempre, ou raramente, ficam em primeiro plano em nossa literatura. E, no entanto, eles também nos caracterizam”, explica a autora.

Conheça mais sobre quem foi Jorge Amado, clicando aqui

 

Oscar - imagem destacada

A história das valiosas estatuetas douradas

By | Dicas | No Comments

Boa tarde, pessoal
Receber uma das belas estatuetas do Oscar é, sem dúvida, a maior realização de um ator da indústria cinematográfica. Mas para quem não sabe essa história teve início em 16 de maio de 1929, quando aconteceu a primeira entrega das estatuetas banhadas a ouro como prêmios concedidos pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood.
Isso mesmo. Desde 1929, as pequenas estatuetas tornaram-se desejadas por todos os profissionais da dramaturgia. A cerimônia de entrega do prêmio é um dos espetáculos de maior audiência no mundo todo, reunindo celebridades, críticos e muito talento.
Que tal conhecermos um pouco mais dessa história?

A primeira apresentação

A primeira apresentação dos prêmios aconteceu em 16 de maio de 1929, no Hotel Roosevelt, em Hollywood. Na ocasião, foram premiadas 11 obras realizadas entre 1927 e 1928. Atualmente, celebra-se entre 23 e 25 filmes, divididos em categorias com um único vencedor. Todavia, anualmente, as categorias variam de acordo com o desenvolvimento da indústria cinematográfica – como aconteceu em 2002, com a criação da categoria Animação.

Outra diferença diz respeito ao número de indicados nas categorias. Nas primeiras versões da premiação a escolha dos finalistas era realizada por um comitê de 20 pessoas – que não tinham nada a ver com a Academia. Depois, por sorteio, cinco delas definiam os vencedores. A mudança aconteceu em 1931, quando Mary Pickford foi acusada de ter sido ajudada pelos juízes. A partir de então, as escolhas dos vencedores eram realizadas por membros da Academia.

Nos seis primeiros anos do Oscar, os prêmios eram por temporada, como acontece hoje nas premiações de TV. A partir de 34, o critério passou a ser o ano: só concorriam os filmes lançados de 1º de janeiro até 31 de dezembro. Concorrem os filmes de longa-metragem em inglês ou com legendas em inglês, qualquer que seja seu país de origem, desde que tenham sido exibidos em 35 milímetros, com entrada paga, em um cinema da área de Los Angeles, durante o ano, e essa exibição tenha sido de, no mínimo, uma semana.

 

“And the Oscars goes to…”

Quando falamos em Oscar, todo mundo se lembra da estatueta dourada de um homem nu em cima de um rolo de filme segurando uma espada. Mas no começo de tudo o Oscar, não era Oscar. Ou melhor não tinha esse nome e não se parecia em nada com a versão atual. A obra de arte foi criada por Cedric Gibbons, diretor de arte da Metro, e esculpida por George Stanley. Quanto ao nome Oscar, há três versões e três pessoas que se dizem responsáveis pelo apelido: Bette Davis, a bibliotecária Margaret Herrick e o colunista Sidney Skolsky. Bette Davis apelidou o prêmio de Oscar porque ele se parecia com as costas de Harmon Oscar Nelson, seu marido na época. Já a bibliotecária Margaret, mais tarde secretária executiva da Academia, teria dito que a estatueta se parecia com seu tio Oscar. E o famoso colunista de Hollywood Sidney Skolsky diz que foi ele quem inventou o nome porque estava cansado de se referir ao prêmio como estatueta. O fato é que o apelido pegou.

 

Critérios de seleção

Com tantas boas opções de filmes, não é uma missão simples escolher os vencedores do Oscar. O critério de seleção é bastante burocrático e envolve quase 5 mil pessoas. A Price Waterhouse, entidade de regulamenta e fiscaliza a premiação, organiza a votação com todos os integrantes da Academia (atores e atrizes, produtores, diretores, roteiristas, cenógrafos, montadores, fotógrafos, músicos, maquiadores).

Com base nos votos, os cinco mais agraciados recebem a indicação da Academia e passam por um novo processo de votação entre todos os membros. Desta vez, a Academia pede que as cédulas com os votos sejam devolvidas à Academia sem identificação do remetente. Com as opiniões em mãos, cabe a um computador ler todos os votos e colocar os vencedores em um envelope lacrado, que é lido somente na noite da premiação.

Saiba mais