Vivemos uma época de contrastes e desequilíbrios. Enquanto bilhões de pessoas passam fome, a obesidade já atingiu o status de epidemia global. O esgotamento dos ativos mais preciosos da natureza convive lado a lado com o desperdício e a ineficiência no uso dos recursos. O consumo desenfreado resulta em excesso de lixo e de resíduos tóxicos que poluem a atmosfera, o solo e a água. E se por um lado, mais de 1 bilhão de pessoas vive com renda inferior a 1 dólar por dia, por outro, as 85 famílias mais ricas do planeta detém 46% da riqueza mundial[1].

Este cenário de extremos nos convida a refletir sobre nossos hábitos e desejos de consumo e desperta algumas perguntas: Afinal, para onde estamos caminhando como humanidade? Qual é o sentido de adotar um estilo de vida consumista? Por quanto tempo nossa espécie irá sobreviver ignorando os impactos do consumo na sociedade e no ambiente? Como realizar meus sonhos e atender às minhas necessidades do presente sem comprometer a capacidade de gerações futuras atenderem suas próprias necessidades?

Estas questões são complexas e merecem ser abordadas com profundidade em sala de aula para ampliar a consciência de crianças e jovens a respeito dos impactos de suas atitudes no meio em que vivem, promovendo sua transformação. Entretanto, para o educador, é essencial saber conciliar a reflexão e a aprendizagem significativa com entretenimento e diversão. Como fazer para tratar de um assunto tão profundo sem torna-lo chato ou pesado?

Andy de Santis é autora do livro Lições de Valor e parceira do blog para o tema Educação Financeira

A obra “Lições de Valor – Educação financeira escolar” traz uma série de atividades lúdicas e dinâmicas que abordam os temas da sustentabilidade e do consumo consciente para alunos de 6º a 9º ano do Ensino Fundamental.

Na unidade 6, intitulada “Quem paga o pato?”, usamos a figura de uma velha calça jeans para demonstrar os principais impactos da sua produção e consumo. Desde o volume de água, terra e fertilizantes químicos usados no momento do cultivo do algodão, passando pelo consumo de combustível, eletricidade, uso de mão de obra e emissão de gases no processo de fabricação e distribuição da calça, até o preço final do produto, contabilizamos os custos financeiros, sociais e ambientais de um item que certamente faz parte da vida cotidiana de crianças e jovens. Depois de conhecer sobre estes impactos, os alunos são convidados a contabilizar o custo total de suas próprias calças jeans para o bolso e o planeta.

Já a unidade 7 “Desejo, necessidade, vontade” compara os hábitos e as despesas de alimentação de duas famílias de culturas totalmente distintas para dialogar com os alunos sobre as diferenças entre querer e precisar, e propõe ao jovem o desafio de viver sem algo que gosta muito de comer, fazer ou comprar durante uma semana, registrando suas percepções ao final da experiência.

Como já abordamos neste post, educação financeira vai muito além do dinheiro e pode ser uma janela para introduzir a reflexão das pessoas sobre os impactos de suas escolhas de consumo no bolso, no ambiente e na comunidade onde vivem no presente e no futuro.

Lições de Valor: Educação Financeira escolar

Eu sou Andyara de Santis Outeiro, autora do livro e estou aqui para dialogar com você sobre os conteúdos da obra e trazer dicas sobre educação financeira para aplicar na escola e na vida. Aproveite o espaço, traga seus dilemas, dúvidas e experiências. Vamos aprender juntos?

Join the discussion One Comment

Leave a Reply