Afinal, o que é Educação Financeira?

No último post, citamos 5 razões para a escola adotar a educação financeira como tema a ser trabalhado em sala de aula. Esperamos que os argumentos tenham lhe ajudado a refletir ou, quem sabe até, convencido você a inserir o assunto em sua prática pedagógica ou na escola de seus filhos.

No entanto, para garantir que a inserção deste tema seja adequada, é fundamental entender a sua origem e significado. Afinal, dinheiro é um assunto relevante e delicado que merece muito cuidado ao ser tratado em sala de aula.

Não faz muito tempo que o tema Educação Financeira começou a ser discutido no Brasil. Antes de 1994, convivíamos com altos índices de inflação e pacotes governamentais que tornavam a situação econômica do país bastante instável. Era impossível planejar a longo prazo e muito arriscado orientar pessoas em suas decisões econômicas. Após o Plano Real, a moeda foi estabilizada e a sociedade brasileira começou a entender melhor o valor do dinheiro, assim ficou mais fácil comparar preços, financiar produtos e planejar conquistas de longo prazo.

Andy de Santis é autora do livro Lições de Valor e parceira do blog para o tema Educação Financeira

Até o fim dos anos 1990, o assunto educação financeira concentrava-se nas “dicas de investimento” dos especialistas em produtos do mercado financeiro, ensinando pessoas que já tinham recursos disponíveis para investir a preservar ou multiplicar esses recursos. Com a melhora da situação econômica a partir de 1999, alguns fatores foram importantes para impulsionar a prática da educação financeira no Brasil: o controle da inflação, o aumento da bancarização e o maior acesso ao crédito.

Nos anos 2000, uma avalanche de obras de autores dedicados a orientar pessoas para aprimorar a gestão de seu patrimônio e suas finanças pessoais invadiu o mercado brasileiro, como o best-seller “Pai rico pai pobre”, dos autores americanos Robert T. Kiyosak e Sharon Lechter, “Seu futuro financeiro” de Louis Frankenberg e “Casais inteligentes enriquecem juntos” de Gustavo Cerbasi. Mas somente em 2010, o assunto foi elevado a política pública com a promulgação do decreto que instituiu a Estratégia Nacional de Educação Financeira (ENEF) como política de estado que dá diretrizes para a inclusão do tema na educação de crianças, jovens e adultos.

Para a ENEF, Educação Financeira é um processo que colabora com os indivíduos a entender melhor conceitos e produtos financeiros; desenvolver valores e competências para entender riscos e oportunidades de cada decisão financeira; fazer escolhas bem informados; e agir para melhorar seu bem estar hoje e no futuro.

Entre as diretrizes para incluir o tema nas escolas, destacamos três:

#1 Conectar a educação financeira à dimensão espacial:

Significa que crianças e jovens devem ser estimulados a refletir sobre o impacto das suas ações individuais sobre as sociais, e vice-versa, congregando os níveis individual, local, regional, nacional e global. Ampliar essa consciência permite educar a criança para a cidadania, a ética e a responsabilidade no ato de consumir e poupar.

#2 Conectar a educação financeira à dimensão temporal:

Significa estimular a criança e o jovem a compreender as inter-relações do tempo nas decisões tomadas. Os espaços são atravessados por essa dimensão conectando passado, presente e futuro para ensinar a criança a planejar a curto, médio e longo prazos, desenvolver a cultura da prevenção e possibilitar o questionamento sobre sua condição atual.

#3 Inserir o tema de forma interdisciplinar e transversal

Significa que a Educação Financeira não precisa ser uma disciplina à parte, mas pode e deve ser integrada a outros temas como Meio Ambiente, Trabalho e Consumo e Educação Fiscal. É um tema que oferece oportunidades de aplicação prática a disciplinas essenciais do currículo como matemática, geografia, ciências e filosofia.

Lições de Valor: Educação Financeira escolar

O livro “Lições de Valor – Educação financeira escolar”, lançado pela Editora Moderna para alunos do Ensino Fundamental II foi totalmente desenvolvido a partir das diretrizes da ENEF e conta com 12 unidades para estimular o jovem a refletir e tomar decisões que tragam mais qualidade de vida a si e sua família em harmonia com a sociedade e o ambiente em que vivem, hoje e no futuro.

Eu sou Andyara de Santis Outeiro, autora do livro e estou aqui para dialogar com você sobre os conteúdos da obra e trazer dicas sobre educação financeira para aplicar na escola e na vida. Aproveite o espaço, traga seus dilemas, dúvidas e experiências. Vamos aprender juntos?

Join the discussion 8 Comments

  • Gostei muito , pois pode-se trabalhar no Seminário Integrado!

  • Parabéns Andy, semear Educação Financeira, Cidadania e Educação Sócio Ambiental é preciso!
    Por um mundo melhor, por uma sociedade mais justa !

  • Olá Vilma, fiquei curiosa para saber como você trabalha ou pensa em trabalhar o tema no Seminário Integrado e se você gostaria de trocar ideias sobre isso comigo e outros educadores.

    Valdir, gratidão por vibrar junto. Vamos em frente em nossa missão de espalhar as sementes….

    Abraço!

  • Evalda Rodrigues disse:

    Amei!!!!
    Ufa!! Estava precisando, não sabia como conduzir esse tema com a turma.

  • Mara Cristina Ragasson Justen disse:

    Olá!
    Sou professora do Ensino Fundamental 1, e em nosso município há uma disciplina intitulada Empreendedorismo e Cidadania, que é trabalhada com crianças do 1º ao 5º ano. Sou professora da disciplina e fiquei interessada no seu material. Como faço para conhecer o material?
    É uma disciplina que necessita de muito conhecimento financeiro, político, social. É um assunto que chama a atenção dos alunos, trazem para sala de aula vários temas para esclarecimento e discussão com os colegas e comigo.
    atenciosamente
    Mara

  • Olá Mara, tudo bem? Grata pela mensagem.

    Este pedido deve ser feito diretamente à Editora Moderna. Entre no “fale conosco” e faça sua solicitação: http://moderna.com.br/contatos/fale-conosco/
    Também é possível adquirir diretamente nas filiais da Moderna pelo país, veja endereços em: http://moderna.com.br/contatos/enderecos/
    Caso haja algum problema com o pedido, por favor nos avise.
    Abraços,
    Andy de Santis

Leave a Reply