O Massacre da noite de São Bartolomeu

massacre da noite de são bartolomeu - img destacada

Boa tarde, pessoal.

Hoje, vamos relembrar a história do massacre da noite de São Bartolomeu, que aconteceu em 24 de agosto de 1572, em Paris. Nesta data, a casa real francesa organizou uma matança generalizada contra religiosos protestantes que comemoravam o casamento do seu líder Henrique de Navarra com Margarida Valois. As matanças duraram vários meses e se espalharam por outras cidades francesas. Ao todo, entre 30 mil e 100 mil protestantes franceses, chamados huguenotes, foram brutalmente assassinados.

Massacre de São Bartolomeu - François Dubois

O tema pode ser uma boa pedida para explicar aos alunos a hierarquia das sociedade europeias medievais e a influência da Igreja no poder político.

A motivação do massacre

Catarina de Médici

A Igreja Católica tem muita importância histórica nos conflitos políticos da Europa medieval. Colocada como no topo da sociedade hierárquica, a Igreja era vista como o poder de Deus na terra, e fervorosamente adorada por seus fieis. Conforme o protestantismo passou a ganhar força, principalmente no final do século XV e início do século XVI, a Igreja Católica tratou de criar pequenos conflitos armados para proteger seu legado.

No caso da França do século XVI, o maior poder estava concentrado nas mãos da Igreja e não no rei. Todavia, vale lembrar que a Igreja era controlada por nobres franceses. Isso quer dizer que mesmo não sendo governada pelo rei, a nobreza dominava a política francesa atendendo a seus interesses exclusivos.

A proposta de reforma no clero significava a perda de poder dos príncipes. Nesse sentido, a família Guise, influente na sociedade francesa do século XVI, ficou à frente da batalha pela preservação do status quo da nobreza na França.

A rainha francesa, Catarina de Médici, era reconhecida por sua frieza e pelo seu instinto de poder. Dois anos antes, Catarina havia assinado o tratado de paz de Saint-Germain, em que propunha trégua aos protestantes ou huguenotes. Todavia, a sua atitude foi vista com maus olhos pela família Guise. Do lado protestante, a rainha incomodava-se com a influência que Gaspard de Coligny, almirante francês e líder huguenote tinha sobre o seu filho, o rei Carlos IX.

Prevendo o conflitos, a rainha precisou escolher um lado: o dos católicos. Assim, ela se antecipou aos católicos ordenando o massacre dos líderes protestantes.

Fim (da trégua) de casamento

Naquele dia 24 de agosto, estava marcado o casamento de Henrique, rei de Navarra e chefe da dinastia dos huguenotes, e Margarida Valois, princesa da França, filha do falecido rei Henrique II e de Catarina de Médici, e irmã de Carlos IX. O casamento foi arranjado para cessar as lutas religiosas entre católicos e huguenotes que predominou na França durante anos, com assassinatos, depredações e estupros.

Milhares de huguenotes e de católicos foram convidados para participar da celebração em Paris. Mais tarde, eles saberiam que tudo não passava de uma armadilha francesa preparada pela nobreza francesa. A família Guise observava com profunda desconfiança a cerimônia ao lado da catedral de Notre Dame. Vale lembrar que a cerimônia não foi realizada dentro da  catedral. O noivo protestante não deveria entrar na Notre Dame, ou assistir à missa. Diante do portal ocidental da catedral, foi construído um palco sobre o rio Sena, no qual se celebrou o matrimônio. Margarida não respondeu com um “sim” à pergunta se desejava desposar Henrique, mas com um aceno positivo com a cabeça. Como era comum na época, o casamento tinha motivação exclusivamente política.

Massacre de São Bartolomeu

Poucos dias depois da cerimônia, o almirante Coligny sofreu um atentado em rua aberta. O líder huguenote teve apenas ferimentos leves. Ainda assim, os huguenotes pressentiram uma conspiração. Estava em perigo a trégua frágil, lograda através do casamento. Por trás do atentado, estavam os Guise e Catarina. Carlos, o rei com olhar de louco, ficou furioso ao saber do atentado a Coligny, seu conselheiro e confidente. Os católicos espalharam então o boato de que os huguenotes estavam planejando uma rebelião para vingar-se do atentado.

Carlos foi pressionado pela mãe e vacilou. Mas cedeu, finalmente, e ordenou a execução de Coligny. O rei exigiu um trabalho completo: não deveria sobrar nenhum huguenote que pudesse acusá-lo posteriormente do crime. Coligny foi assassinado com requintes de crueldade na noite de São Bartolomeu. Com ele, outras milhares de pessoas que professavam a mesma fé.

Henrique de Navarra sobreviveu à noite de São Bartolomeu nos aposentos do rei, que tinha dado a ordem para o massacre. Henrique teve de renegar sua fé e foi encarcerado no Louvre. Quatro anos mais tarde, ele conseguiu fugir. Retornou ao seu reino na Espanha e, anos depois, subiu ao trono francês.

Henrique, que permaneceu católico, mas irmão espiritual dos huguenotes, concedeu-lhes a igualdade de direitos políticos através do Édito da Tolerância de Nantes. Uma compensação tardia para os huguenotes. Henrique defendia a coesão do país: “A França não se dividirá em dois países, um huguenote e outro católico. Se não forem suficientes a razão e a Justiça, o rei jogará na balança o peso da sua autoridade.”

 

Saiba mais

Uma dica de filme para trabalhar o assunto em sala de aula é o  filme Rainha Margot:

Rainha Margot – França – 1994

Gênero: Drama
Direção: Patrice Chéreau
Elenco: Isabelle Adjani, Daniel Auteuil, Vincent Perez, Virna Lisi
Idioma: Francês
Sinopse: No século XVI um casamento de conveniência é celebrado com o intuito de manter a paz. A união entre a católica Marguerite de Valois, a rainha Margot (Isabelle Adjani), e o nobre protestante Henri de Navarre (Daniel Auteuil) tinha como meta unir duas tendências religiosas. O objetivo do casamento foi tão político que os noivos não são obrigados a dormirem juntos. As intrigas palacianas vão culminar com a Noite de São Bartolomeu, na qual milhares de protestantes foram mortos. Após isto Margot acaba se envolvendo com um protestante que está sendo perseguido.

 

 

 

 

Comentário

Seu e-mail não será publicado