O Nordeste açucareiro: Invasões holandesas e francesas

By 03/11/2011 Dicas No Comments

Boa tarde a todos.

O Brasil é o maior produtor de cana-de-açúcar do mundo. Estima-se que a safra produzida em 2010/2011 tenha sido de 623 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, bem à frente dos 25 milhões produzidas pela Índia, segunda colocada no ranking mundial. Hoje, a cana só perde em produção para o milho e a soja, tendo o estado de São Paulo como destaque de produção. A cana produzida acaba sendo destinada à produção de açúcar e etanol para consumo interno e exportação.

Se hoje São Paulo é o maior produtor de cana-de-açúcar, vale saber que nem sempre foi assim. O Nordeste brasileiro já foi alvo de muitas brigas por conta de suas terras férteis para o cultivo do açúcar. Por volta de 1530, início da colonização portuguesa, o açúcar representou a salvação do governo de Portugal que passava dificuldades econômicas causadas pela concorrência com outros países que comercializavam as especiarias do Oriente. A Pátria-mãe voltou seus olhos a nossa terra quando navios estrangeiros começaram a aportar por aqui. Era preciso tomar alguma atitude para não perder as possessões no Novo Mundo. Foi então, que o Rei de Portugal decidiu cultivar a cana-de-açúcar no Brasil.

Aqui vale lembrar que Portugal dominava os métodos de produção do açúcar e já produziam açúcar em outras colônias: Ilha dos Açores, Ilha da Madeira e em Cabo Verde.

As primeiras mudas foram plantadas na capitania hereditária de São Vicente, mas foram nas capitanias de Pernambuco e Bahia que a produção foi mais lucrativa, principalmente pelas condições climáticas – clima quente e úmido. Nesta colonização, os holandeses foram os que mais investiram na produção açucareira no Brasil, tendo fundado a Companhua Holandesa das Índias Ocidentais e invadido Salvador e Pernambuco durante o período da União Ibérica, quando Portugal e Espanha tiveram o mesmo rei (Rei Filipe II).

Os holandeses foram completamente expulsos somente em 1654, após a Insurreição Pernambucana. Com o fim do acordo com o Brasil, a Holanda aproveitou os conhecimentos que adquiriu na produção da cana-de-açúcar e os aplicou em suas colônias no Caribe. O açúcar caribenho ganhou destaque no mercado internacional e provocou mais uma vez a queda nas vendas do açúcar brasileiro, fazendo com que Portugal novamente tivesse problemas econômicos.

Invasão francesa

As terras do Maranhão sempre foram muito cobiçadas pelos donatários portugueses. Porém as dificuldades de acesso pelo mar e a resistências dos indígenas que existiam na região dificultavam o acesso. Desta forma, as áreas maranhenses ficaram sem colonização por quase 100 anos. Na segunda metade do século XVII, o governo português inicia a criação do gado na região sul do estado, enquanto ao norte, os franceses iniciavam a sua invasão.

Tudo começou em 1554, quando a Coroa francesa investiu em uma expedição para a conquista da Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro. Os franceses dominaram a região e fundaram a chamada França Antártica. Porém, os conflitos com as tribos tupinambás e a resistência da Corte portuguesa impediram a dominação e recuperaram o território, fundando a cidade de São Sebastião.

Apesar da tentativa de invasão ter sido contida pelos portugueses, o interesse dos franceses pelas terras brasileiras não foi. Desta forma, em março de 1612, exploradores da França retomam suas investidas e fundam na região do Maranhão, um povoado com o nome de São Luís, referência ao rei francês, Luís XIII, com a instalação do Forte de São Luís.

A vitória dos portugueses sobre os franceses aconteceu na Batalha de Guaxemduba, ou Jornada Milagrosa. Alguns supersticiosos contam que os soldados de Portugal receberam uma ajudinha de Nossa Senhora da Vitória, que transformou ar em pólvora, fazendo com que os portugueses estivessem eternamente munidos. Mas claro, isso é só uma lenda.

Como da primeira vez, a invasão durou pouco tempo e os franceses foram expulsos das terras brasileiras em 03 de novembro de 1615. Aqui vale lembrar que as tropas da França seguiram ao norte do continente e dominaram a região onde hoje está a Guiana Francesa. A região de São Luís e a Guiana Francesa ficaram conhecidas como França Equinocial.

Saiba mais

Quem tiver interesse em saber mais sobre a invasão holandesa no Brasil, nossa dica é conferir o filme “Doce Brasil Holandês“, dirigido e produzido por Mônica Schmiedt, e lançado em 2010:

Sobre as invasões francesas no Brasil, a dica é conferir o documentário patrocinado pela Marinha do Brasil, produzido e dirigido por Luiz Moura Brasil.  Infelizmente, o vídeo foi publicado sem áudio, mas quem quiser pode conferir o documentário na íntegra, aqui.

Saiba mais sobre as invasões francesas, aqui


Leave a Reply

Your email address will not be published.